Recuperar Senha
Fechar
Entrar

“Haenyeos”

Um retrato poético das mergulhadoras da Coreia

Documentário estreia nesta quinta-feira (8) no canal National Geographic e no domingo será exibido na TV Cultura

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
FT
Filme retrata as coreanas, com idade variando de 65 a 90 anos, que trabalham 5 horas dentro da água
PUBLICADO EM 08/03/18 - 03h00

SÃO PAULO. Unir duas linguagens para revelar o difícil e perigoso trabalho de mulheres mergulhadoras no mar da Ilha de Jeju, na Coreia do Sul. Foi esse o desafio da documentarista Lygia Barbosa e do fotógrafo Luciano Candisani, que fizeram juntos o filme “Hae-nyeos, a Força do Mar”, com estreia marcada para esta quinta-feira (8), no National Geographic, às 20h15, e na TV Cultura, no domingo, às 22h. São imagens de mulheres batalhadoras, com idades variando de 65 a 90 anos e que pertencem à cultura hae-nyeos, que foi reconhecida patrimônio imaterial da humanidade pela Unesco, mas que está em vias de desaparecer, pois as gerações mais novas não estão mais interessadas nessa atividade.

Essas mulheres, frágeis e fortes ao mesmo tempo, cumprem uma rotina de trabalho de 5 horas por dia dentro da água, atingindo uma profundidade de até 12 metros, e sem usar aparelhos, somente com o ar dos pulmões. “As hae-nyeos são conhecidas como mulheres fortes em todos os sentidos. Representam, sobretudo, a força feminina”, conta a diretora Lygia. “Hoje, com o declínio da atividade, existe um grande esforço do governo em valorizar essa cultura”.

Humor. Lygia explica que a realização desse projeto não aconteceu de uma hora para outra. Na verdade, foram anos maturando essa aproximação. E a escolha dessas mulheres para serem o foco do documentário ocorreu por ser uma história apaixonante. “Impossível não se apaixonar por este tema, por essas mulheres e suas experiências de vida. Têm uma força inimaginável, um humor delicioso, e são muito carinhosas.”

Ela conta como fez para se aproximar e ganhar a confiança do grupo. “Logo no início, mergulhei com elas e aprendi a coletar o sorah (molusco), e isso as surpreendeu e nos aproximou. Elas me ensinaram o quanto podemos trabalhar duro e nos divertir ao mesmo tempo, que a amizade é uma das coisas mais valiosas na vida, principalmente depois que os filhos saem de casa.”

O que achou deste artigo?
Fechar

“Haenyeos”

Um retrato poético das mergulhadoras da Coreia
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter