Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Último programa

Vídeo Show se despede da Globo e vira assunto mais comentado nas redes

Desde sua estreia, em 1983, o “Vídeo Show” mostrou os bastidores da TV de forma divertida e cuidou da memória da emissora com competência

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
video.PNG
Sophia Abrahão não aguentou a emoção e se debulhou em lágrimas
PUBLICADO EM 11/01/19 - 20h59

O programa “Vídeo Show”, que se despediu nesta sexta-feira (11) da grade da Rede Globo, após 35 anos ar, foi o assunto mais comentado do dia nas redes sociais. Sob o comando de Joaquim Lopes e Sophia Abrahão, o programa teve, em sua última edição, uma homenagem dos artistas da emissora em muitas manifestações virtuais.

Anunciado somente neste ano, o fim da atração deu o que falar. Desde sua estreia, em 1983, o “Vídeo Show” mostrou os bastidores da TV de forma divertida e cuidou da memória da Globo com competência. “Era um programa feito por gente que entende de televisão”, fala a colunista e comentarista de televisão Keila Jimenez. “O ‘Vídeo Show’ fazia aquelas listas maravilhosas de guerra de comida, maiores brigas, melhores mortes, com as cenas dos programas.”  

Quantas vezes a atração mostrou, por exemplo, a briga de Fernanda Montenegro e Paulo Autran em “Guerra dos Sexos”, novela de 1983? Ou a surra que Maria Clara Diniz (Malu Mader) deu na vilã Laura Prudente da Costa (Cláudia Abreu), em “Celebridade”, de 2003? Isso sem contar quantas vezes o público do programa viu a Odete Roitman de Beatriz Segall manchar a parede de sangue quando foi morta na novela “Vale Tudo” (1988); ou Laurinha Figueroa (Glória Menezes) despencar de um prédio sem antes arrancar o brinco de Maria do Carmo (Regina Duarte), em “Rainha da Sucata” (1990).

Quadro de sucesso, o “Falha Nossa” também fez história na TV. Quando os atores erravam suas falas ou algo inusitado acontecia durante uma gravação, os próprios envolvidos logo diziam: “Ah, essa vai para o Vídeo Show’”.

“Hoje, isso tudo está na internet. Difícil competir”, diz Keila, que sentirá falta da atração. “Fiquei triste, pois o programa foi muito legal durante um bom tempo.” O colunista Flávio Ricco concorda: “É um programa que vai fazer falta, pois, com categoria e qualidade, mostrava os bastidores da TV.”

Apesar de ter sido, nos anos 90 e nos anos 2000 um programa consolidado e líder absoluto em audiência  em seu horário, o “Vídeo Show” nunca se acomodou. Muitos apresentadores passaram pela atração. Miguel Falabella, Cissa Guimarães, André Marques, Otaviano Costa e Mônica Iozzi acrescentaram novidades ao programa em suas passagens e até mesmo Angélica, com seu quadro “Vídeo Game” marcaram a história da atração de forma positiva.

“Quando a Mônica Iozzi saiu, começou a derrocada do programa”, afirma Keila. “Até a saída dela, o ‘Vídeo Show’ era um programa que sabia rir de si mesmo. Depois, quando passou de revista de memória da TV para bastidores de celebridades, virou bagunça.” Para Keila, a atração começou a falar de celebridades e não deu certo, pois não é possível fazer “fofoca oficial” e “fofoca chapa branca”.

Redes sociais

Antes, o ‘Vídeo Show” era o primeiro a mostrar a mudança de visual de um artista que pintava o cabelo, cortava, deixava a barba crescer para fazer um personagem na novela. “Hoje, o artista mal desce da cadeira do cabeleireiro e já posta sua selfie na rede social”, fala Keila. Então, quem quer ver uma imagem que já está no Instagram? “O ‘Video Show’ perdeu o conteúdo e não sobrou muito assunto.”   

Ricco também acha que o conteúdo ficou aquém do que seria possível fazer. “Houve tentativas para resgatar o programa”, conta. “Mas há desgaste da fórmula e a baixa audiência do horário talvez não justifique o investimento que é alto.” Para Ricco, talvez a Globo tenha feito as contas e visto que não vale a pena ter esse gasto, já que a concorrência não possui um programa com essa qualidade no horário.  

O colunista acredita que, por ser uma marca forte, o “Vídeo Show” pode voltar. “Se eu fosse a Globo, não acabaria com o programa e voltaria com outro formato”, fala. “Mesmo com a concorrência da internet e das redes sociais, a produção tem de ser criativa e acho que há condições de driblar tudo isso se incluir o programa numa outra realidade. Para Ricco, o programa poderia tratar os bastidores da TV, mas abrir para outras áreas, usando os artistas da casa. “A Globo faz cinema, faz streaming… O ‘Vídeo Show’ poderia seguir nessa esteira”.

 

O que achou deste artigo?
Fechar

Último programa

Vídeo Show se despede da Globo e vira assunto mais comentado nas redes
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter