crescimento econômico

PIB do Brasil perde força e sobe 0,4% no terceiro trimestre de 2022

Apesar de avançar em relação aos três meses anteriores, indicador ficou abaixo das previsões

Por Agência
Publicado em 01 de dezembro de 2022 | 10:13
 
 
 

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil avançou 0,4% no terceiro trimestre deste ano, em relação aos três meses imediatamente anteriores, informou nesta quinta-feira (1º) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam elevação de 0,6%. O PIB mede a produção de bens e serviços no país a cada trimestre. O avanço do indicador é usualmente chamado de crescimento econômico.

O terceiro trimestre foi marcado pela corrida eleitoral no país. Às vésperas do pleito de outubro, o governo Jair Bolsonaro (PL) buscou estimular a economia a partir de medidas como a ampliação do Auxílio Brasil para R$ 600 e os cortes tributários sobre os combustíveis. A atividade ainda foi beneficiada pela reabertura após as restrições na pandemia. A vacinação contra a Covid-19 permitiu a volta de parte do setor de serviços, o principal da economia pela ótica da oferta.

Bares, restaurantes, hotéis, academias de ginástica, salões de beleza, comércios e instituições de ensino fazem parte desse segmento. A inflação elevada, por outro lado, forçou o BC (Banco Central) a elevar os juros. O aperto monetário, aliás, é apontado como o principal responsável pelas projeções de perda de ritmo da atividade econômica a partir da segunda metade de 2022. A alta da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 13,75% ao ano, encarece o consumo das famílias e os investimentos das empresas. Turbulências no cenário internacional também trazem riscos para a economia brasileira.

O quarto trimestre reúne datas importantes para o comércio: Black Friday e Natal. Os juros e a inadimplência em alta, contudo, dificultam o consumo de bens mais caros. Analistas do mercado financeiro projetam alta de 2,81% para o PIB no acumulado de 2022, conforme a mediana do boletim Focus, divulgado na segunda-feira (28) pelo BC.

Para o ano de 2023, o primeiro do novo governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a expectativa é de um avanço mais modesto, de 0,70%, segundo a mesma publicação. Analistas ainda aguardam definições sobre a condução da área econômica na gestão petista. O mercado financeiro já demonstrou tensão ao enxergar riscos fiscais com possíveis gastos no novo governo.

Cálculo do PIB

Produtos, serviços, aluguéis, serviços públicos, impostos e até contrabando. Esses são alguns dos componentes do PIB, calculado pelo IBGE, de acordo com padrões internacionais. O objetivo é medir a produção de bens e serviços no país em determinado período. O indicador mostra quem produz, quem consome e a renda gerada a partir dessa produção. O crescimento do PIB (descontada a inflação) é frequentemente chamado de crescimento econômico.

O levantamento é apresentado pela ótica da oferta (o que é produzido) e da demanda (como esses produtos e serviços são consumidos). O PIB trimestral é divulgado cerca de 60 dias após o fim do período em questão. (LEONARDO VIECELI E EDUARDO CUCOLO/Folhapress) 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!