ARTICULAÇÃO PARA AS ELEIÇÕES

Fuad diz que não tem acordo com Lula por apoio nas eleições em BH

O prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD), descartou a possibilidade de formar uma chapa com algum candidato do PT para as eleições municipais de 2024

Por O TEMPO
Publicado em 18 de abril de 2024 | 09:38
 
 
 
normal

Apoiado pelo prefeito de Belo Horizonte durante as eleições gerais de 2022, o presidente Lula (PT) não deve retribuir o apoio a reeleição de Fuad Noman (PSD) nas eleições municipais deste ano. A afirmação é do próprio prefeito, que em conversa com o Café com Política, da FM O TEMPO 91,7, negou qualquer acordo com o PT para apoio nas eleições de 2024.

Segundo Fuad Noman, o único combinado que ele possui com a presidência, em troca do apoio nas últimas eleições, é que o Governo Federal auxiliaria melhor Belo Horizonte, com recursos e programas sociais. O prefeito garantiu, ainda, ter uma boa relação com o prefeito, e disse não ter mágoa pelo PT ter decidido lançar uma candidatura própria.

“Quando eu fui apoiar o presidente Lula no segundo turno da eleição para presidente, Belo Horizonte estava muito abandonada pelo governo federal. Ele disse que se ganhasse, Belo Horizonte seria tratada com cuidado, com respeito e com carinho. Em momento nenhum nós falamos de eleição ou combinamos qualquer coisa eleitoral. Combinamos que ele ia ajudar Belo Horizonte, e é isso que está acontecendo”, esclareceu Fuad Noman.

Entre as ajudas advindas do Governo Federal citadas pelo prefeito, estão os recursos do PAC para a construção do viaduto do Anel Rodoviário, o programa Minhas Casa Minha Vida, e negociações de mais recursos para a compra de ônibus elétricos e urbanização de vilas e favelas. 

Composição de chapa

Por ter uma proximidade com o presidente Lula, foi especulado que Fuad Noman poderia formar uma chapa com o pré-candidato do PT, o deputado federal Rogério Correia. A ideia, entretanto, foi descartada pelo prefeito, que disse não ter sido procurado pelo diretório do partido para formação de uma aliança;

“Eu tive várias conversas com o PT e com os ministros do governo Lula sobre obras para Belo Horizonte e investimentos, mas nunca falamos sobre campanha. Mesmo porque o lançamento da pré-campanha aconteceu aqui, quando a presidente do PT veio e não tivemos nenhum contato a respeito disso. Eu entendo isso com muita naturalidade, um partido como o PT é natural que tenha um candidato”, afirmou. 

Num eventual segundo turno, entretanto, Fuad Noman não disse não descartar o apoio do PT: “Com o presidente Lula, nosso relacionamento é o melhor possível, mas em momento nenhum nós discutirmos questão eleitoral. Se amanhã ou depois a gente for para o segundo turno, e no segundo turno não tiver ninguém do lado do PT, por exemplo, com muito prazer eu receberei o apoio e vou buscar o apoio”.

 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!