Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Estadual ou federal

Após sair ‘fugido’ do MDB, Julvan só pode disputar o Legislativo pelo PSD

Julvan estava filiado ao MDB e, como mostrou o Aparte, foi tratado pelos então colegas de partido como “fujão” ao não comparecer a um evento

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Julvan Lacerda, presidente da AMM
Medida já havia sido recomendada às prefeituras pelo presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda
PUBLICADO EM 21/05/22 - 04h00

O presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), o ex-prefeito de Moema Julvan Lacerda, deve disputar as eleições deste ano pelo PSD, e não será para o Senado, como ele vinha almejando nos últimos meses. Isso porque os pessedistas têm o senador Alexandre Silveira como candidato à reeleição. Agora, ficou para Lacerda a disputa para deputado, estadual ou federal. 

Julvan estava filiado ao MDB e, como mostrou o Aparte, foi tratado pelos então colegas de partido como “fujão” ao não comparecer a um evento que discutia as candidaturas deste ano. 

No mês passado, a coluna mostrou que saída não teria agradado à cúpula emedebista do Estado. Em um grupo do aplicativo de WhatsApp denominado “MDB - A Força de Minas”, o ex-governador Newton Cardoso, que é pai do atual presidente estadual do partido, o deputado federal Newton Cardoso Júnior, solicitou a retirada de Julvan Lacerda do grupo.

“Retirem o nome de Julvan deste grupo. Ele fugiu do partido”, disse Cardoso em uma conversa a que a coluna teve acesso. Logo em seguida, o líder municipalista, que já não pertencia mais à sigla, foi excluído. Julvan teria deixado o MDB sem comunicar a cúpula da sigla.

O ex-prefeito de Moema chegou a dizer que recebeu convite do Avante para disputar o Senado na eleição deste ano, mas o acordo não prosperou. E com sua filiação ao PSD e a candidatura de Silveira à reeleição, o desejo de ser senador está, pelo menos, adiado.

A autenticação da certidão de filiação de Julvan está disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O documento a que o Aparte teve acesso mostra que o presidente da AMM se filiou ao PSD no dia 31 de março, penúltimo dia antes do prazo de fechamento da janela partidária, após deixar o MDB. Ele é próximo do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e estava lotado como assessor parlamentar no gabinete do senador. 

O Aparte ligou para Julvan para saber as pretensões eleitorais dele e para que ele pudesse explicar a saída atabalhoada do MDB. O ex-prefeito não atendeu às ligações feitas ao longo da semana. Ao retornar o contato e ser questionado se estava mesmo no PSD, a ligação caiu e não houve mais retorno. Depois, em mensagens, Julvan disse que estava na estrada, mas não houve sucesso no contato, apesar de mais ligações. O pré-candidato “fujão” não retornou os contatos nem havia respondido as mensagens enviadas pela coluna. 

Julvan aposta na atuação como presidente da AMM para conseguir se eleger, como no acordo firmado com o governo de Minas sobre os pagamentos de repasses atrasados do Estado com as prefeituras e dos recursos da saúde. (José Augusto Alves)

Rádio Super

O que achou deste artigo?
Fechar

Estadual ou federal

Após sair ‘fugido’ do MDB, Julvan só pode disputar o Legislativo pelo PSD
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Log View