Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Secretário de Ribeirão das Neves investigado é exonerado para povo esquecer apuração

O secretário municipal de Governo e ex-secretário municipal de Saúde de Ribeirão das Neves, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, João Marcelo Guimarães de Abreu, foi exonerado do cargo no mês passado. O secretário é alvo de uma investigação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) que apura irregularidades em licitações na administração.

Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, a exoneração ocorreu após ele ser aprovado no vestibular de medicina do Centro Universitário Unifaminas, em Muriaé, na Zona da Mata. De acordo com o órgão, João Marcelo é formado em fisioterapia e sempre teve o sonho de ser médico.

No entanto, o nome do agora ex-secretário não aparece na lista de aprovados para o curso neste semestre nem na lista de excedentes. A reportagem entrou em contato com o setor de vestibular da Unifaminas, que disse que não pode informar se João Marcelo foi aprovado e efetuou a matrícula, mas afirmou que os nomes de todos os aprovados estão na lista de aprovação e/ou na lista de convocação de excedentes no site.

Segundo fontes ligadas à Prefeitura de Ribeirão das Neves, o real motivo da exoneração é a tentativa do prefeito da cidade, Moacir Martins da Costa Júnior, mais conhecido como Junynho (PSC), de esconder o ex-secretário, tirando-o do foco do noticiário. Com o ex-secretário longe, Junynho acredita que as pessoas vão esquecer a investigação.

Em novembro do ano passado, João Marcelo foi alvo de investigação MP por suposta irregularidade na licitação que contratou, por quase R$ 7 milhões, uma clínica de exames laboratoriais da cidade. No mesmo mês, o apartamento do então secretário foi alvo de busca e apreensão. O mandado foi expedido pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Ribeirão das Neves.

A suspeita do MPMG é que houve fraude no procedimento administrativo de licitação de número 170 para contratação, pela Secretaria Municipal de Saúde, de empresa especializada na prestação de serviços de exames laboratoriais de análises clínicas. A vencedora do certame foi a Clínica de Diagnóstico São José, localizada no São Pedro, o mesmo bairro onde mora o secretário João Marcelo.

O contrato foi assinado em julho do ano passado pela dona da clínica, Flávia Guimarães Mesquita, e pela secretária municipal de Saúde, Renata Leandro Figueiredo e Silva. Ambas também teriam sido alvos de busca e apreensão realizada pela Polícia Militar.

O processo licitatório mostra que houve apenas outra companhia interessada na concorrência, a Labclim Diagnósticos Laboratoriais, com sede em Barueri, em São Paulo. A empresa paulista apresentou um questionamento, que foi recusado pela comissão de licitação por estar fora do prazo. (Ana Luiza Faria)

R$ 9,5 mi

É quanto o Supremo Tribunal Federal (STF) reservou para a contratação de serviços de recepção. O contrato prevê a necessidade de 236 profissionais para o posto de trabalho de recepção. As atividades serão realizadas na sede do STF e no almoxarifado da Corte.

Escala do funcionalismo

O governo de Minas Gerais divulgou nessa sexta-feira (2) a escala de pagamento dos servidores do Estado em março. Um mês após anunciar quatro datas para a quitação parcelada dos salários, o governo voltou à escala com três datas. O Estado vai depositar os vencimentos nos dias 14, 23 e 29 de março. De acordo com a nota da Secretaria de Estado de Fazenda (SEF), os servidores com salários de até R$ 3.000 líquidos vão receber integralmente no dia 14. Os que recebem até R$ 6.000 líquidos vão receber uma parcela de R$ 3.000 no dia 14, e o restante será pago em uma segunda parcela, prevista para o dia 23 de março. Já para o funcionalismo que recebe acima de R$ 6.000, a escala vai ter mais uma data: 29 de março. A secretaria ressalta ainda que a terceira parcela do 13º salário será depositada no dia 19 deste mês. Desde janeiro de 2016, o governo de Minas tem parcelado os salários dos servidores. No mês passado, em entrevista coletiva, o secretário de Governo, Odair Cunha, disse que 80% do que o Estado arrecada está comprometido com a folha de ativos e inativos e que não há previsão de quando o será encerrado escalonamento.

Frase do dia

“Me despeço do PSDB. Quem me conhece pode imaginar como essa decisão foi dolorida. O partido que está aí não mais me representa. Não acredito mais que o PSDB volte a suas origens, um partido sem chefes, mas com líderes comprometidos com os compromissos firmados com o povo.”
Mário Covas Neto
Vereador de São Paulo

Correndo atrás

FOTO: SBT/divulgação

O ministro da Fazenda e presidenciável, Henrique Meirelles, participou nessa sexta-feira (2) da gravação do “Programa do Ratinho”, no SBT. Sem gravata, Meirelles conversou com o apresentador sobre diversos assuntos. Ele se mostrou favorável à privatização dos presídios e à criação de um imposto único. Foi a segunda vez que o ministro gravou participação no programa. Da primeira vez, a entrevista não foi ao ar, já que era focada na defesa da reforma da Previdência. Com a tramitação da PEC suspensa por causa da intervenção federal no Rio de Janeiro, não havia sentido veicular a conversa. A aparição de Meirelles em um programa de televisão popular faz parte de sua estratégia de se tornar mais conhecido e tentar viabilizar sua candidatura à Presidência da República. 

Caso Azeredo

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) deve julgar no próximo dia 20 os embargos infringentes do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB), que contesta sua condenação em duas instâncias a mais de 20 anos de prisão por participação no mensalão mineiro. A situação do tucano é semelhante à de Lula. Se o STF mantiver a regra que permite a prisão de condenados após o julgamento de recursos em segunda instância, ele já poderá começar a cumprir a pena. A diferença é que, como não houve unanimidade na análise do TJMG sobre a apelação de Azeredo, ele ganhou direito a esses embargos infringentes. Lula, por sua vez, só teve direito a interpor embargos de declaração.