Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Legalização das drogas

Alta tributação amplia apoio à legalização das drogas entre os mineiros

Se a carga de impostos for pesada, 42,3% dos mineiros concordam em descriminalizar; Classes econômicas mais baixas da população puxam rejeição à proposta

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Um quinto da maconha usada no Brasil tem origem doméstica
Alta tributação amplia apoio à legalização das drogas entre os mineiros
PUBLICADO EM 02/05/18 - 11h22

Embora a legalização das drogas seja rejeitada por quase 80% da população mineira, quando a liberação dos uso recreativo de substâncias entorpecentes é condicionada a uma alta incidência de tributos para aumentar a arrecadação pública, a aceitação mais do que dobra. 

A pesquisa Minas no Brasil de 2018, realizada pelo Grupo Mercadológica em parceria com O TEMPO, mostra que 42,3% dos mineiros defenderiam a legalização das drogas, caso houvesse uma carga tributária pesada sobre os produtos, como é caso do cigarro.

Atualmente, 77% do preço de um maço de cigarro no Brasil é formado por imposto. Na pergunta realizada, o valor arrecadado a mais com a venda de drogas legalizadas serviria para reduzir o peso dos impostos sobre produtos que fazem parte da cesta básica, barateando essas mercadorias.

Esse resultado é 20 pontos percentuais maior do que o nível máximo de aprovação alcançado pela legalização da maconha quando a pergunta foi feita sem a condicionante tributária. Nesse caso, apenas 22,5% disseram ser favoráveis à legalização.

Todas as demais drogas tiveram índices de aceitação bem menores. Crack e heroína foram os mais rejeitados, com apenas 7% dos entrevistados se dizendo favoráveis à legalização desse tipo de droga. 

Além do cigarro, as bebidas alcoólicas de alta gradação como cachaça, vodca, uísque e tequila também contam com uma pesada carga tributária no Brasil. Os impostos chegam a representar até 80% do valor final do produto.

Outra pergunta realizada pela pesquisa Minas no Brasil de 2018 foi com relação à legalização das drogas como medida para aumentar o número de postos de trabalho e, consequentemente, reduzir o desemprego e aumentar a renda do brasileiro. Porém, nesse caso aceitação foi menor.

Entre os mineiros, 32,7% disseram apoiar a liberação das drogas nesse caso, enquanto 67,3% rejeitam a medida, mesmo se houvesse esse impacto positivo. Atualmente, a taxa de desemprego no Brasil é de 13,1%, segundo o último levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso representa 13 milhões de brasileiros à procura de emprego.

Classe social

Houve uma diferença significativa entre o posicionamento dos entrevistados de acordo com a classe econômica a que pertencem. Mesmo estudos mostrando que os mais pobres seriam os mais beneficiados com a legalização das drogas, são eles que têm a maior rejeição à medida.

Nas classes C, D e E, 39,2% são favoráveis à legalização das drogas com tributação mais alta. Entre os entrevistados das classes A e B esse percentual subiu para 54,8%. Foi o única inclusive que a legalização das drogas teve apoio da maioria.

Aceitação entre os jovens

As pessoas mais jovens tendem a ser mais liberais que os mais velhos. É o que mostra o resultado dos dois questionamentos.

Na faixa-etária de 18 a 34 anos, 48,4% defendem a legalização em caso de incidência de um tributo maior, reduzindo os impostos de produtos de alimentação básica. No questionamento sobre a legalização para aumentar o nível de emprego, 44% aprovariam. 

Já entre os entrevistados com 45 anos ou mais de idade, esses percentuais foram, respectivamente, de 34,8% e 24,1%

O que achou deste artigo?
Fechar

Legalização das drogas

Alta tributação amplia apoio à legalização das drogas entre os mineiros
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

comentários (21)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter