Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Pesquisa

Em Minas Gerais, só 22,5% apoiam a legalização da maconha, diz pesquisa

De acordo com o levantamento da série Minas no Brasil de 2018, 40,6% dos cidadãos do Estado afirmam que fazem uso de bebida alcoólica, enquanto 15,3% alegam que consomem cigarro comum

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Leniésio Silveira
Para o fotógrafo Leniésio Silveira, é necessário impor limites para o uso de drogas
PUBLICADO EM 30/04/18 - 03h00

Tema de debate há décadas e com quase todos os países do mundo investindo bilhões de reais no combate, o uso e a liberação do consumo de drogas constantemente voltam ao foco por conta de seus prejuízos à saúde humana, e sua relação com a segurança pública e com a economia. A quarta edição do projeto Minas no Brasil de 2018 revela que ampla maioria dos mineiros é contra a descriminalização das drogas no país.

Os resultados da pesquisa feita pelo grupo Mercadológica em parceria com o jornal O TEMPO indicam que, independentemente da droga hoje considerada ilegal pela legislação, o mineiro é contrário a sua descriminalização, com índices muito altos.

Entre as drogas hoje barradas pela lei, a maconha foi a que recebeu maior “apoio” a sua descriminalização: 22,5% dos mineiros se mostraram favoráveis a uma mudança na legislação – sobretudo pessoas até 44 anos, das classes A e B, brancas e não católicas ou evangélicas. Outros 72,8% dos entrevistados defenderam que a legislação atual permaneça.

Por outro lado, 92,5% dos mineiros se mostraram contrários à descriminalização das drogas sintéticas, como ecstasy, LSD e metanfetaminas – o que representa apenas 4,8% dos entrevistados defendendo essa legalização. Em índice semelhante, 4,7% dos mineiros defenderam que a cocaína também deveria ser descriminalizada. O crack e a heroína aparecem na liderança da rejeição dos mineiros, com mais de 93% sendo contrários à descriminalização.

Veja AQUI gráficos que mostram o debate sobre entorpecentes.

Drogas legalizadas. A pesquisa também abordou o consumo de bebidas alcoólicas e cigarro por parte dos mineiros. De acordo com o levantamento, 40,6% dos cidadãos do Estado afirmaram beber, enquanto 59,4% negaram o consumo. Entre os que fazem uso, destaque para os homens, entrevistados com até 44 anos, pertencentes às classes A e B e não evangélicos.

Já uma esmagadora maioria de 84,7% dos entrevistados negou ser fumante – com destaque, neste caso, para os evangélicos – enquanto 15,3% afirmaram que consomem cigarro comum.

A pesquisa Minas no Brasil de 2018 foi realizada entre os dias 16 e 22 de abril. Foram ouvidas 601 pessoas com mais de 18 anos em 45 municípios por meio de entrevistas telefônicas. A margem de erro é de 3,8 pontos percentuais para mais ou menos. O intervalo de confiança é de 95% (ou seja, em 100 cenários, 95 mostrarão resultados dentro da margem de erro apontada). Ao longo desta semana, serão divulgados outros levantamentos sobre temas relacionados à descriminalização das drogas. 

O que achou deste artigo?
Fechar

Pesquisa

Em Minas Gerais, só 22,5% apoiam a legalização da maconha, diz pesquisa
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (24)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter