Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Cerveja é cultura

Frutas: um toque especial às cervejas artesanais

As frutas movimentaram o mercado cervejeiro e conquistaram o publico conferindo aroma, saber e cor a diversos estilos

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Cerveja
PUBLICADO EM 20/01/19 - 11h11

Goiaba, laranja, limão, melancia, pitaia, maracujá, acerola, amora… Quando o assunto é ingrediente para cervejas, o céu é o limite. Com criatividade e conhecimento, é possível fazer cervejas extremamente saborosas, de diferentes estilos e de coloração exuberante que despertam a atenção.

As cervejas com frutas caíram no gosto dos consumidores. Produzidas por várias cervejarias e em estilos variados, elas seguirão em alta em 2019. “Pegar estilos clássicos e acrescentar uma fruta condizente com a base da cerveja é uma tendência muito bacana, principalmente em um país como o Brasil”, afirma Leo Nascimento, mestre em estilos e sócio da cervejaria Dos Caras.

Entre as cervejas feitas com frutas que ganharam bastante visibilidade no ano passado está a Catharina Sour, primeiro estilo brasileiro reconhecido mundialmente. A Prússia Bier, por exemplo, localizada em São Gonçalo do Rio Abaixo, produz um rótulo com goiaba e hibisco. “A goiaba era a fruta da estação no momento em que fizemos. O hibisco foi usado porque dá uma coloração natural, e suas propriedades, como a adstringência, combinam com a goiaba”, explica Fernando Cota.

Segundo ele, a aceitação do público foi incrível e a ideia é seguir produzindo o estilo utilizando frutas de cada estação. “Cerveja com fruta sempre chama a atenção quando acertamos na dosagem e não fica enjoativa nem frutada demais, sem parecer cerveja”, explica Cota. O cervejeiro conta que, em março, lançará um rótulo com abacaxi.

A Catharina Sour possui sabor e aroma de frutas frescas, o que é ideal para nosso clima tropical, como afirma Fabiana Bontempo, sócia da Brücke, localizada em Nova Lima. Desde 2016, ela produz a Passion, que tem frutas amarelas em sua composição. “O estilo original era Berliner Weisse com frutas, no caso maracujá e laranja. O caráter refrescante do maracujá e o aroma superperfumado, aliados com o perfil cítrico da laranja, formaram um buquê muito pungente, surpreendente”, exclama.

Ela explica que em 2016 as cervejas ácidas ainda não estavam em alta como hoje, mas a aceitação foi tanta que ela foi incorporada à linha de produção como cerveja sazonal do verão. Com o reconhecimento da Catharina Sour, o estilo foi alterado, e a Passion passou a ter essa classificação. A cervejaria também lançou rótulos com morango e romã.

A Verace também investiu no estilo e criou a Abaporu Sour, que possui goiaba e cajá-manga, sendo acidificada com lactobacilos. “Como o estilo foi reconhecido mundialmente, muitas cervejarias serão motivadas a produzir, o que estenderá a oferta e incentivará o consumo”, analisa Túlio Silva Pinto, mestre cervejeiro.

Segundo ele, que também é responsável pela fruit beer Maracutaia, que tem maracujá e pitaia, a meta para este ano é explorar estilos consagrados, mas também, e principalmente, inovações. “Manteremos nossa tradição de uso de frutas e especiarias, além de processos inovadores”, pontua.

Reconhecimento internacional

Desenvolvida por produtores de Santa Catarina e hoje produzida em vários Estados do país, inclusive em Minas Gerais, a chamada Catharina Sour é o primeiro estilo tipicamente brasileiro incluído no catálogo da Beer Judge Certification Program (BJCP).

Considerada uma das principais organizações mundiais de certificação de juízes cervejeiros, a BJCP publica um guia de estilos da bebida que serve de parâmetro para os produtores caseiros, artesanais e industriais.

Por mais que haja divergências com relação ao nome escolhido para o estilo – “por que não Brasil Sour?” foi uma questão pontuada – os cervejeiros mineiros têm apostado no estilo. “O Brasil saiu do limbo cervejeiro e começa a marcar seu nome na história. O nosso entendimento é que o país passa a ter uma projeção dentro de um guia importante, e a gente apoia essa iniciativa. Os pormenores com relação ao nome não tiram o brilho do trabalho que foi feito”, afirma Fernando Cota, sócio da Prússia Bier.

Levemente ácida e com acentuado sabor de frutas, que pode lembrar um espumante, a Catharina Sour começou a ser testada comercialmente entre os anos de 2014 e 2016, quando as microcervejarias e importadoras já se destacavam por conquistar crescente espaço no mercado cervejeiro nacional.

Blumenau

O prazo de inscrições para o Concurso Brasileiro de Cervejas 2019, realizado em Blumenau, Santa Catarina, termina na próxima terça-feira. A taxa de inscrição para cada cerveja é de R$ 245. A competição deste ano contará com 106 jurados de 24 países diferentes. O cadastro das amostras deve ser feito por meio do site festivaldacerveja.com.

Mineirão

A cervejaria Sátira, localizada no Jardim Canadá, em Nova Lima, se preparara para inaugurar o Balcão Sátira, um pocket bar localizado na Esplanada do Mineirão, na Pampulha. A proposta é tornar o espaço um local de efervescência cultural e boemia da capital. A inauguração será em fevereiro, em data a ser divulgada. Endereço: av. Antônio Abrahão Caran, 1001, bairro São José.

Carnaval

Muito conhecido pelo grande número de cervejarias, o bairro Jardim Canadá, em Nova Lima, vai ter um bloco de Carnaval para chamar de seu neste ano: o Expresso Canadá. Os encontros estão sendo realizados nos sábados de janeiro e fevereiro, a partir de 12h, sob o comando do Mandruvá Samba, em frente ao Mercado Cervejeiro (av. Montreal, 232) – mais novo point da cerveja artesanal inaugurado em setembro último. O valor para participar da bateria é de R$ 10. O desfile será no dia 2 de março. 

O que achou deste artigo?
Fechar

Cerveja é cultura

Frutas: um toque especial às cervejas artesanais
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório

Comentários (1)

Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter