Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Pesquisa

Abuso de álcool na adolescência pode ‘deformar’ o cérebro

Consumo excessivo produz mudanças no hipocampo e afeta memória

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Capturar.JPG
PUBLICADO EM 11/10/18 - 03h00

Santiago, Chile. A memória é a primeira vítima da ingestão compulsiva de grandes quantidades de álcool geralmente protagonizada por adolescentes em um curto espaço de tempo, alertam os pesquisadores chilenos que estudaram as consequências de uma prática tolerada por ser considerada um hábito ocasional.

A compulsão etílica, ou “binge drinking”, na expressão em inglês, consiste em beber muito em pouquíssimo tempo. E se for associada ao tabaco, à maconha ou a narcóticos mais potentes, o efeito pode se agravar.

Os estudos demonstram que, embora sejam hábitos restritos, em geral, aos fins de semana ou às festas, essa compulsão etílica “pode gerar muitos problemas” no cérebro que se perpetuam, além de facilitar vícios de longo prazo, declara Rodrigo Quintanilla, um dos pesquisadores da Universidade Autônoma do Chile que estudaram as consequências dessas práticas comumente toleradas.

Embora os jovens tenham facilidade de se recuperar relativamente rápido das bebedeiras, o consumo de álcool produz “variações e mudanças no hipocampo, que tem a ver com a memória”, explica à AFP o pesquisador.

Particularmente, “afetam o equilíbrio inflamatório, deteriora a plasticidade sináptica, a memória e o metabolismo periférico mediante um mecanismo dependente do sistema de melanocortinas”, um dos principais atores que participam da consolidação dos vícios durante a adolescência e a idade adulta, segundo o estudo, apresentado em revistas científicas e na Associação Americana para a Pesquisa do Alcoolismo.

Os jovens, recorda Quintanilla, costumam acreditar que são “invencíveis” e “não veem os danos que podem acontecer”, mas existem “mecanismos e vias bioquímicas dentro do hipocampo que serão afetados com o tempo”, complementa.

 

Circuitos cerebrais se desenvolvem nessa fase

Santiago. A adolescência é o período da vida crucial para o desenvolvimento dos circuitos cerebrais responsáveis pela emoção e cognição, que supõe mudanças no volume cortical, no crescimento axonal, na expressão gênica e na definição das conexões corticais mediante um processo conhecido como “poda sináptica”.

No trabalho “Centro de pesquisa para o estudo da conduta de beber álcool em adolescentes: Da molécula à função cerebral e o metabolismo periférico”, os pesquisadores também tentam estabelecer o que faz com que os jovens passem de um consumo moderado à ingestão descontrolada e dependência.

“Quando se torna adulto, o cérebro terá mais sensibilidade a certos estímulos estressantes ou da vida cotidiana”, como cansaço no trabalho, diz Rodrigo Quintanilla. “São respostas que ficam em aberto, porque nos dedicamos a analisar e esmiuçar uma parte do elo” no estudo com animais, que não pode ser feito com pessoas.

Flash

Próximos passos. Para prosseguir o estudo, a partir de agora deverão “levantar informações sobre o consumo de álcool e os hábitos de consumo, assim como aplicar ano a ano um teste cognitivo para saber a progressão do dano”, diz o pesquisador Rodrigo Quintanilla.

O que achou deste artigo?
Fechar

Pesquisa

Abuso de álcool na adolescência pode ‘deformar’ o cérebro
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter