Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Saúde e Ciência

Medicina se rende ao poder da hipnose

Estudos comprovam sucesso da técnica terapêutica no emagrecimento e contra dor e outros problemas; hospital mineiro vai treinar obstetras

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
Beatriz Acampora
A psicóloga e escritora com mais de 20 livros publicados, Beatriz Acampora pesquisou a relação entre a autoestima e a saúde mental, e falou sobre os benefícios da hipnose
PUBLICADO EM 04/02/18 - 03h00

Quando se fala em hipnose, muitas pessoas logo associam àquelas brincadeiras apresentadas na televisão em que um sujeito, balançando um relógio na frente de uma “vítima”, altera o estado de consciência dela, fazendo-a esquecer o próprio nome, mudando seu comportamento ou revelando coisas que não gostaria. No entanto, é nos consultórios, bem distante dos holofotes, que a hipnose ganha força e vem crescendo no Brasil e no mundo, amparada por pesquisas que comprovam sua eficácia tanto para amenizar a dor e a depressão como para auxiliar no emagrecimento.

Recém-lançada há quatro meses, a Sociedade Brasileira de Hipnose (SBH) venceu uma licitação da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) para ainda neste mês realizar treinamentos de hipnose com a equipe de obstetrícia do Hospital Regional Antônio Dias, em Patos de Minas, com o foco na dor em gestantes em trabalho de parto. O fundador da SBH, Erick Heslan, acredita que o projeto pode chamar atenção de outros hospitais. “É um tema que está em alta e vem sendo muito utilizado no resto do mundo, mas, no Brasil, ainda não tem nenhum programa de hipnose dentro de hospitais”, disse.

Atualmente, não existe uma legislação específica sobre o uso da hipnose no país, e a técnica ainda não é regulamentada. Porém, os Conselhos Federais de Medicina, Psicologia, Odontologia e Fisioterapia recomendam o uso das técnicas hipnoterápicas como alternativas terapêuticas e coadjuvantes aos tratamentos convencionais.

Em outros países, como a França e a Bélgica, os anestesistas estão oferecendo a hipnossedação – que combina a hipnose com a anestesia local – como alternativa à anestesia geral em cirurgias. O diretor do Centro de Medicina Integrativa da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, David Spiegel, realizou uma pesquisa instruindo pacientes em técnicas de auto-hipnose antes de serem submetidos a procedimentos vasculares ou renais.

O estudo, publicado no jornal “The Lancet”, mostrou que, em comparação com os pacientes que receberam cuidados-padrão, o grupo de hipnose usou significativamente menos medicação para dor. A equipe agora testa a mesma abordagem em pacientes com cirurgia no joelho e no quadril. Com o estudo, percebeu-se também que a hipnose ajuda os pacientes a passarem pelo período pós-cirúrgico mais rapidamente, uma vez que os pacientes que usam analgésicos por mais de três dias têm maiores chances de desenvolver dependência das substâncias.

Estudos de revisão já mostraram ainda a eficácia da hipnose na redução do incômodo para uma grande variedade de condições que levam à dor crônica (por exemplo: câncer, dor lombar, artrite, doença falciforme, dor temporomandibular, entre outras).

Para a estudante de veterinária em Brasília, Jessica Botti Ferreira, 23, a hipnose clínica foi fundamental para ajudá-la na amamentação do filho. “Durante a gravidez passei por bastante estresse emocional. Além disso, tenho epilepsia e estava sem tomar a medicação, devido à gravidez. Quando o bebê nasceu, o parto foi de risco. Tive complicações, fiquei em coma durante cinco dias, e o meu leite secou completamente”, lembra.

Depois de passar um mês sob efeito de medicação para tentar estimular a amamentação, sem sucesso, ela tentou a hipnose. “A sessão (de hipnose) durou duas horas e quarenta minutos e, assim que terminou, minha blusa estava encharcada de leite. Meia hora depois, eu estava amamentando meu filho sem problema algum. Nem precisei fazer outra sessão”, conta.

Jessica, que até então só conhecia a hipnose de entretenimento, se surpreendeu. “Vi que é só uma ferramenta que o profissional usa para poder libertar aquilo que talvez nem mesmo você saiba que está te atrapalhando”, afirma.

Técnica ajuda a melhorar autoestima e, assim, torna-se arma contra doenças

Em janeiro deste ano, uma convenção internacional dedicada ao tema foi realizada em Belo Horizonte e reuniu mais de 400 profissionais. Um dos estudos apresentados foi o da psicóloga e terapeuta Beatriz Acampora, sobre os impactos da autoestima na saúde mental.

Também escritora e autora de cerca de 20 livros, ela pesquisou mais de cem profissionais da área da saúde no Rio de Janeiro. “Apesar de parecer que tinham uma boa autoestima, eles não conseguiam ter boa saúde mental. Vários problemas, como depressão, dor física e falta de vitalidade foram relatados. Percebemos que a autoestima estava sendo prejudicada em função do trabalho que executavam”, aponta.

Em sua palestra, Beatriz falou sobre o uso da hipnose para melhorar a autoestima. Segundo ela, a técnica parte do princípio de que toda doença é um sintoma e que a mente é um sistema complexo formado pela consciência e pela inconsciência. E a hipnose trabalha justamente com essa última.

“Nós temos muitos sentidos (visão, audição, olfato...), e todos eles vão nos colocando para fora. A gente vai prestando atenção nos estímulos externos. Mas, quando a pessoa está em transe, ela presta atenção nos estímulos internos e percebe o que pode ser mudado e melhorado”, explica.

Por isso, logo na primeira sessão os resultados aparecem. Porém, a psicóloga explica a necessidade de continuidade no tratamento. “Tive uma paciente que me procurou porque estava com câncer e, após a primeira sessão, já achou que estava curada. Mas ela tinha um problema de autoestima e não sabia dizer ‘não’. Então, depois, quando retornou a seu ambiente, o sintoma só migrou, e a doença voltou por duas vezes”, conta.

A ansiedade também atrapalhava o administrador André Guerra, 30, a se apresentar em público. “Já tinha tentando outras coisas, mas nunca tinha achado uma ferramenta que fosse eficiente. Fiz hipnose com regressão e, na hora que precisei colocar à prova, o resultado surgiu. Uma semana depois, tive que falar em público e já me sentia mais tranquilo e confiante”, conta.

FOTO: Mariela Guimarães
André Guerra
André Guerra fez tratamento com hipnose para conseguir falar em público

 

O que achou deste artigo?
Fechar

Em alta

Medicina se rende ao poder da hipnose
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter