Recuperar Senha
Fechar
Entrar

Viagens incríveis

Saiba por que são novos tempos na velha Havana

Capital cubana passa por processo de abertura econômica e novidade impacta diretamente na experiência dos turistas

Enviar por e-mail
Imprimir
Aumentar letra
Diminur letra
A iluminada vista do bar do rooftop do Gran Hotel Manzana, em Havana Cuba
A iluminada vista do bar do rooftop do Gran Hotel Manzana, em Havana
PUBLICADO EM 20/12/18 - 03h00

Maior ilha do Caribe, Cuba impressiona pela beleza das praias e pela riqueza cultural, mas o interesse de turistas pelo país também anda lado a lado com a mística em torno de sua política.

Desde 2011, o regime socialista vem passando por um processo sutil de abertura econômica, que impacta diretamente a experiência de turistas estrangeiros.

Leis mais brandas em relação à propriedade e aos investimentos privados permitiram o aparecimento de ótimos restaurantes, bares, galerias de arte e, recentemente, hotéis. Enquanto uns relembram os tempos em que viajar a Cuba implicava abrir mão de confortos modernos, outros temem que a ilha se descaracterize com a chegada cada vez maior de turistas e investimentos estrangeiros.

A novidade no turismo foi a abertura, em 2017, do primeiro hotel de luxo de Havana. O Gran Hotel Manzana, operado pela Kempinski Hotels, um dos principais grupos de hotelaria do mundo, ocupa um prédio construído em 1894 no centro histórico.

Apesar de a operação hoteleira ser do grupo alemão, a propriedade é do grupo Gaviota, um braço estatal de empreendimentos turísticos sob a tutela das forças armadas cubanas.

Soa exótico para o mundo capitalista, mas o resultado é incrível. Os quartos são enormes e superconfortáveis, em estilo contemporâneo, com toques históricos da arquitetura original.

O bar tem uma carta de runs impressionante, com garrafas raras, e uma sommelier de charutos que ajuda os hóspedes na harmonização dos dois produtos mais famosos do país.

O grande destaque, no entanto, fica no último andar – a piscina de borda infinita do rooftop tem vista de embasbacar, e o bar anexo virou um dos pontos mais badalados da cidade.

Bares e restaurantes

Badalação é o que não falta em Havana. Para quem quiser seguir os passos do escritor Ernest Hemingway, o El Floridita fica bem em frente ao hotel Kempinski.

O bar é conhecido pelo daiquiri, drink a base de rum, limão, açúcar, maraschino e muito gelo, para refrescar no calor cubano.

Outro clássico é a Bodeguita del Medio. Ao som de salsa, turistas se amontoam no balcão para provar o mojito mais famoso do mundo.

Aos pés da chaminé de uma antiga fábrica desativada, funciona o restaurante El Cocinero, com diferentes espaços abertos que convidam a um drink e pratos que mesclam cozinha criolla e mediterrânea.

Ao lado, fica a Fabrica de Arte, um espaço cultural dedicado a artistas cubanos contemporâneos, um misto de galeria, cinema, teatro, dança, bares e muita música.

Outra opção imperdível é o La Guarida, um terraço animado para drinks antes ou depois do jantar. É imprescindível reservar com antecedência não só ali, mas em qualquer restaurante que não seja estatal.

Para os próximos anos, vários novos hotéis de luxo estão com obras em andamento, a maioria seguindo essa linha de restauração de edifícios históricos, com propriedade do governo cubano e gestão de renomados grupos internacionais.

A abertura econômica traz mais comodidade, mas, ao mesmo tempo, implica em uma progressiva descaracterização. Eu, se fosse você, já marcaria a viagem, antes de correr o risco de que anunciem, em alguns anos, a chegada do McDonald’s por lá.

 

Quick tips

 

ILTM Cannes

O turismo de luxo reunido

Aconteceu, em dezembro, a International Luxury Travel Market (ILTM), em Cannes, França. Uma seleta lista de 50 consultores de viagens brasileiros esteve presente para descobrir novidades e reforçar o relacionamento com 2.000 expositores de cem países. Um dos principais patrocinadores deste ano foi o Ministério de Turismo de Ruanda, na África.

 

Tendências

O “luxo de pés descalços

Chama atenção, nos encontros durante o evento, a quantidade crescente de propriedades que focam em proporcionar uma experiência única e autêntica ao hóspede, porém rústica e sem ostentação. Essa tendência vem sendo definida, em inglês, como “barefoot luxury” (luxo de pés descalços). Nessa linha, um dos hotéis brasileiros presentes era o Ponta dos Ganchos (SC).

 

Novidade na Bahia

Hotel Fasano de Salvador

Depois de abrir sua unidade em Belo Horizonte há dois meses, o Grupo Fasano acaba de inaugurar, no último fim de semana, seu mais novo hotel, em Salvador, na Bahia. O prédio histórico era a antiga sede do jornal “A Tarde”, na praça Castro Alves, ao lado do Pelourinho e com uma vista incrível para a Baía de Todos os Santos.

 

Inverno europeu

A temporada nos Alpes

A temporada de neve no Hemisfério Norte começou a todo vapor. A estações de esqui nos Alpes de Áustria, França, Itália e Suíça já estão com todas as pistas funcionando e com quantidade de neve acima da média. Os hotéis de Courchevel, o mais luxuoso vilarejo da França, estão comemorando o aumento considerável no número de brasileiros.

*Rafael Romeiro é expert em turismo de luxo e diretor da FVO Travel.

O que achou deste artigo?
Fechar

Viagens incríveis

Saiba por que são novos tempos na velha Havana
Caracteres restantes: 300
* Estes campos são de preenchimento obrigatório
Enviar Comentário

Li e aceito os termos de utilização
Compartilhar usando o Facebook
ou conecte-se com

ATENÇÃO

Cadastre-se para poder comentar

Comentar com Facebook Comentar com Twitter