Feminicídio

Para combater feminicídio, Polícia Civil cria núcleo de investigação em BH

Somente entre janeiro e abril deste ano, 42 mulheres foram vítimas de feminicídio no Estado; novo núcleo terá foco total nas investigações dos crimes

Qua, 15/05/19 - 19h15
Chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, delegado-geral Wagner Pinto inaugura Núcleo Especializado de Investigação de Feminicídios na sede do DHPP em Belo Horizonte

O alto índice de feminicídio em Belo Horizonte e Minas Gerais é o motivo da criação do Núcleo Especializado de Investigação de Feminicídios da Polícia Civil, inaugurado nesta quarta-feira (15) na sede do Departamento Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro São Cristóvão, na região Nordeste da capital. Com uma equipe formada por uma delegada, uma escrivã e três investigadores, o núcleo ficará exclusivamente responsável pela investigação de casos de assassinatos contra mulheres. 

Na prática, a porta de entrada dos crimes continua a mesma. Em caso de violência doméstica, as mulheres continuam a procurar as delegacias especializadas e o disque denúncia 180. O que muda é a condução da investigação. “Os inquéritos de feminicídio atualmente são espalhados por toda a delegacia. Quando a gente reúne uma equipe específica para trabalhar em cima do caso, temos muito mais potencial e tempo para investigar e chegar a prisão do autor com mais brevidade”, explica a delegada Ingrid Estevam.

Entre janeiro e abril deste ano, 42 mulheres foram vítimas de feminicídio em Minas Gerais. Somente na capital, desde a criação da Lei do Feminicídio, em 2015, 52 casos foram registrados. Chama atenção que em apenas um deles a vítima possuía medida protetiva. “Quantas outras poderiam estar com medida e quantos autores poderiam estar presos? O objetivo é que as mulheres procurem e acionem a Polícia Civil”, alertou a delegada Ingrid Estevam.

Pesquisa da Polícia Civil mostra que a maioria das mulheres mortas em BH pertencem a faixa etária de 21 a 25 anos; 53% delas são de cor parda, 25% negra e 22% branca. Conforme o estudo, a maioria dos crimes, 58%, é por motivação passional, enquanto 38% são por motivos fúteis. Cerca de 70% dos feminicídios foram cometidos por companheiros ou ex-companheiros das vítimas e o dia da semana mais comum para cometimento desses crimes é a sexta-feira. 

 

Podcasts Relacionados

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Andre 4:01 AM May 16, 2019
e homencidio? não vai ser investigado ?
2
Denunciar

LEIA MAIS
Pensando nos filhos
Explosão
Briga de Trânsito
Sustentável
Social
Balanço
Paralisação nacional
Triângulo
Fugindo da crise
Central
Leia mais