Paralisação nacional

Saiba quais serviços são afetados por manifestação nesta sexta-feira

Mesmo com decisão judicial contrária, metroviários vão parar na capital

Qui, 13/06/19 - 20h12
Estações do metrô estão fechadas nesta sexta

A paralisação contra a reforma da Previdência e os cortes na educação, prevista para sexta-feira (14), deverá afetar a vida de muitos mineiros. Com os funcionários do metrô parados, o que resta para os belo-horizontinos são os ônibus. Mas, como a previsão é que manifestantes fechem importantes vias de acesso na região metropolitana, o trânsito deve ficar um verdadeiro caos. A paralisação deve impactar ainda outras áreas importantes como educação em todo o Estado.

Segundo o presidente do Sindicato dos Metroviários de Minas Gerais, Romeu José Machado Neto, o esperado é que praticamente todos os 1.700 trabalhadores do metrô em BH fiquem de braços cruzados entre às 0h de hoje e a primeira hora de amanhã. “Nossa luta é, principalmente, contra as privatizações porque seremos afetados diretamente por elas”, afirma.

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) até conseguiu, na tarde desta quinta-feira (13), uma liminar junto ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinando o funcionamento de 100% dos trens, no horário das 05h30 às 10h e das 16h às 20h, com pena de R$ 200 mil por descumprimento. Fora do horário da escala mínima seria necessário manter um trabalhador na sala de comando e nas torres de controle dos pátios São Gabriel e Eldorado, além de um funcionário  no Posto de Comando Local de Vilarinho, desde a preparação até o recolhimento dos trens.

Mesmo assim, os trabalhadores vão ficar parados. “Nós fomos notificados muito tarde e ficamos sem tempo hábil para avisar todos os funcionários”, disse Machado Neto.

Ônibus. A reportagem entrou em contato com os sindicatos representativos dos trabalhadores do transporte de passageiros de todas as cidades da região metropolitana e a deliberação foi a mesma: cada funcionário decide se vai aderir à paralisação ou não. Com temor de represálias, os representantes não querem ter os nomes ligados ao movimento grevista.

O Sindicato dos Rodoviários de BH e Região, que representa 25 mil trabalhadores, chegou a soltar uma nota explicando que não terá uma participação mais efetiva na manifestação porque a entidade ainda arca com o pagamento de uma multa de R$ 160 mil de paralisações anteriores.

Pautando-se nessa situação, inclusive, o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram) garantiram que não haveria paralisação nos transportes da capital e nas linhas metropolitanas.  

Mas, fontes ligadas aos trabalhadores que atuam em toda a região metropolitana disseram que a estratégia na greve de hoje será a de impedir os veículos de passarem em pontos estratégicos. “Os ônibus vão sair da garagem mas nossa ideia é impedí-los de circular”, disse uma das fontes. Dessa forma, os coletivos estarão parados e ninguém será multado, já que os trabalhadores estarão na ativa.

Educação. Professores da rede estadual de ensino e das escolas municipais de Belo Horizonte também prometem forte adesão ao movimento. Os professores do Estado não fizeram uma projeção de escolas afetadas. Mas as expectativas são grandes. “A educação está sendo muito afetada. Temos que ir para as ruas contra esse desmonte”, garante a diretora do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (SindUte), Ana Lúcia Moreira. A Secretaria de Estado de Educação disse, em nota, que “sexta-feira é dia letivo e que acompanhará a adesão das escolas da rede estadual de ensino ao longo do dia”.

Em Belo Horizonte, segundo informações da Secretaria Municipal de Educação, dez instituições de ensino  já ficaram totalmente paralisadas nesta quinta-feira (13) e 36% das turmas sem professores. A expectativa é de uma adesão maior no dia da greve geral. “Noventa por cento das escolas serão atingidas”, garantiu a diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede ública Municipal de BH (Sind-Rede BH), Vanessa Portugal.

Outras áreas. Segundo o diretor político do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público do Estado de Minas Gerais (Sindpúblicos), Geraldo Henrique da Conceição, as áreas que deverão ter maior adesão dentre os servidores mineiros serão a Secretaria de Fazenda e os profissionais da área de perícias médicas. Mas não soube estimar quantas pessoas iriam aderir à greve.

BH Trans. Os funcionários da BHTrans também começam uma greve hoje. Segundo o diretor-jurídico do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Assessoramento, Pesquisas e Informações do Estado de Minas Gerais, Alex Kromemberger, apesar da coincidência de datas, a paralisação não está ligada ao movimento nacional. “As negociações salariais com a BHTrans travaram. Por isso, os trabalhadores estão parando por tempo indeterminado”, afirma. São 1.100 trabalhadores das mais diversas áreas: fiscalização do trânsito, central de operações, atendimento ao usuário, além da parte administrativa da autarquia. Procurada, a BHTrans disse, em nota, que “está negociando com os sindicatos que representam seus empregados”.

    

 

Podcasts Relacionados

(10) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Philippe J S Mouls 8:49 AM Jun 14, 2019
Greve de 1% de ignorante e privilegiados atrapalhando os 99% da população. Teria que dar um basta nisto. Tomara que a reforma da previdência passa logo, reduz as inegalidades absurdos que temos agora e que privatiza logo CBTU e ensino!
12
Denunciar

Adriano Leite 8:19 AM Jun 14, 2019
Que população desinteressada pelos seus direitos! Tomara que o nossos representes façam com que todos trabalhem até morrer e sem educação, saúde e segurança. Esquecem que todas as garantias trabalhistas que hoje possuem foi porque alguém lutou pelos nossos direitos. Coitada da nova geração, se depender dessa turma comodista da atualidade perderemos tudo o que foi conquistado com muito sacrificio pelos nossos antepassados.
25
Denunciar

antonio sabata 2:12 AM Jun 14, 2019
Atenção Sr. EMPRESÁRIO, Dia 14 , sexta-feira, troque um grevista por um trabalhador desempregado.
25
Denunciar

Drope 10:47 PM Jun 13, 2019
Nada de novo no front. A velha greve dos sindicatos do transporte e do sindicato dos professores. Quem trabalha continuará trabalhando, mesmo sendo atrapalhado pelos de sempre.
22
Denunciar

Mario Ramires 9:23 PM Jun 13, 2019
Uai, Bhtrans vai parar? Já estão parados há décadas sem qualquer inércia ou vontade de produzir algo. Além da Bhtrans, a outros setores de Bh que só servem como cabides de emprego.
2
Denunciar

Ivanovitch salinov 9:00 PM Jun 13, 2019
Esquerda maldita! Sempre prejudicando os mais necessitados. Ou seja, os trabalhadores. Professores comunistas, não houve cortes na educação. Houve contingenciamento em todos os setores. E na educação , apenas 3,5%. Quanto ao metrô, já passou da hora de privatizar.
28
Denunciar

Maria Isabel Azevedo 8:59 PM Jun 13, 2019
O ministro da Educação, sumiu? Igual Queiroz...De vez em quando alguem manda eles se calarem...Olavo...Filhos...
36
Denunciar

andrejonathas 7:53 AM Jun 14, 2019
Você e professor se você está na rua então tem que tem que descontar um dia de vocês por que eu não pago imposto para fagabundo ficar na rua sem fazer nada recebendo o meu dinheiro
36
Denunciar

Gustavo 8:34 PM Jun 13, 2019
Esse "TREM" de Belzonte não pode ter um peido maior que a bunda que já fazem greve. Aí junta meia duzia de políticos Pão com mortadela para promover uma greve. Já passou da hora de privatizar ou acabar com o tremzinho prateado de BH. Pq metrô isso não é nem na China vendido pelos sites chineses.
22
Denunciar

John Logan 8:17 PM Jun 13, 2019
Vanessa Portugal hein? Depois falam que essas greves não são políticas...
24
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
Fique atento
Fatalidade
Previsão do tempo
Cemitério da Paz
Ladainha
Resgate
Minas Gerais
Conteúdo ofensivo
Segurança pública
Arte mediúnica