Sergio Penna

Preparador de atores fala a respeito de seus trabalhos com artistas

Sergio Penna está em Belo Horizonte, onde ministra, neste fim de semana, um workshop intensivo de interpretação para o cinema

PUBLICADO EM 10/11/17 - 03h00

Rodrigo Santoro já tinha participado de várias novelas e de algumas produções do cinema antes de 2000, quando uma figura nascida em São Paulo cruzou seu caminho e tornou-se um companheiro fundamental nas trilhas que percorreria até o estrelato e o reconhecimento mundial. “Foi amor à primeira vista”, diz o preparador de atores Sergio Penna, com um ar de nostalgia e de admiração ao se lembrar do primeiro encontro que teve com seu “pupilo”, nas gravações do filme “Bicho de Sete Cabeças”, dirigido por Laís Bodanzky e lançado em 2001.

Santoro fazia o papel de um jovem com uma relação conturbada com os pais e que acabou num hospital psiquiátrico. “Foi um trabalho de mergulho íntimo na solidão e na dor humanas. A partir daí comecei a sentir a incrível relação que eu tinha com o Rodrigo e seu ponto de vista de disciplina, de estudo e de coragem. A grande questão do ator é se aprofundar no personagem e saber ‘voltar’ a si depois. E o Rodrigo é um grande profissional nessa entrega, nesse jogo de ‘ir e voltar’”, continua Penna, considerado um dos mais renomados de sua área no Brasil.

Em um paralelo com o futebol, Sergio Penna seria o treinador responsável por lapidar o talento de um promissor atleta que começa a despontar numa equipe. Curiosamente, essa metáfora acabou sendo inevitável em um trabalho específico envolvendo Santoro e seu “técnico”. Em “Heleno” (2012), o ator passou por um “treinamento” para encarnar o ídolo do Botafogo.

“Cada filme é um desafio. E o ‘Heleno’ é um personagem que tem muitas camadas, do auge à decadência. Fomos a São João do Nepomuceno, a terra do Heleno de Freitas. Refizemos os passos do jogador. O Rodrigo também teve aulas com o Cláudio Adão (ex-jogador), então fazia exercícios com bola, até na chuva, e tentando sempre entender as paixões do futebol. E ele também morou no Copacabana Palace, onde o Heleno chegou a morar. Um trabalho de pesquisa e de vivência que crio com os atores. A profissão é isso tudo, e o ator tem que se dedicar”, relata.

A parceria com Santoro culminou também em trabalhos internacionais, vide “300” (2006) e “Che” (2008). “Em ‘Che’, fomos a Cuba. Não só para ele aprender espanhol, mas também para tentar entender a alma cubana”, sintetiza Penna.

Surfistinha. Deborah Secco foi outra atriz a trabalhar com Sergio Penna no processo de concepção de sua personagem em “Bruna Surfistinha” (2011). “A Bruna interpretada pela Deborah foi um mix de várias garotas de programa, principalmente as de São Paulo, porque foi onde a gente investigou. Fomos a boates e às casas de várias delas, acompanhando o dia a dia dessas meninas e vendo que existem guerreiras por trás de tudo que vivem. E a Deborah fez um trabalho maravilhoso, fruto de muita entrega, inteligência e pesquisa”, afirma o preparador.

Apesar de ajudar atores e atrizes de destaque, Penna não se considera um “mestre” de nenhum deles. “Sou um acompanhante da viagem criativa do ator em busca de sua personagem. Um testemunho. Às vezes, pego carona com ele, às vezes, dou a carona, ou vejo a ida e a volta dele, da plataforma do trem”, finaliza ele.

Currículo

Sergio Penna: trabalhou com vários atores, como Isis Valverde, Juliana Paes e Bruno Gagliasso, e com elencos de novelas (como “Verdades Secretas” e “Amor à Vida”), e de filmes, vide “Carandiru”, “Faroeste Caboclo” e “Gonzaga: De Pai pra Filho”.

 

Três dias de workshop para cinema 

Sergio Penna está em Belo Horizonte, onde ministra, neste fim de semana, um workshop intensivo de interpretação para cinema, no Galpão Cine Horto, a sede de um grupo bastante especial para o preparador de atores. “Lá atrás, como artista, eu tive uma imensa felicidade de assistir a uma encenação de ‘Romeu & Julieta’, feita pelo grupo Galpão, numa praça em São Paulo, com um pôr do sol incrível. E me tornei um eterno admirador do grupo”, relata Sergio Penna, ansioso pelo workshop.

“Neste período de três dias, espero enxergar alguns talentos. Mas o fundamental para mim é a troca de experiências”, diz.

Agenda

o quê. Workshop intensivo de interpretação para cinema, com Sergio Penna

quando. Sexta (10), das 15h às 22h, sábado (11), das 15h às 22h e domingo (12), das 10h à 00h

onde. Galpão Cine Horto (rua Pitangui, 3.613, Horto</MC><MC>)

outras informações: producao.thiago@gmail.com

Leia mais
LEIA MAIS
Cinema
Música
Em Santa Tereza
Música
Heavy metal
Volta
Rio de Janeiro
Fabrício FBC
Poeta
Poeta