Tempo Hábil

Episódio analisa a atuação da Renova e situação dos atingidos de Mariana

Rompimento da barragem já tem mais de três anos e meio, mas reassentamentos ainda não foram entregues e indenizações não foram pagas

Qui, 13/06/19 - 15h09

Já se passaram três anos e sete meses desde o dia em que uma barragem da Samarco se rompeu nas proximidades da cidade de Mariana, região Central do Estado. O desastre, maior tragédia ambiental do país, deixou 19 mortos, além de arrasar todo o distrito de Bento Rodrigues e parte de Paracatu de Baixo e Gesteira, deixando centenas de famílias desabrigadas.

Um Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC) foi estabelecido entre diversas entidades envolvidas com o rompimento e elencou ações voltadas para a reparação dos danos da tragédia. Esse termo definiu as bases para a criação da Fundação Renova, que ficou responsável pela gestão das medidas definidas. Em três anos de existência, a fundação já desembolsou R$ 5,7 bilhões de reais, mas as pessoas que perderam suas casas continuam aguardando a entrega das novas moradias e suas indenizações.

O Tempo Hábil desta semana conversa com as repórteres da editoria de Economia, Ludmila Pizarro e Queila Ariadne, que fizeram matéria especial sobre as implicações dessa situação e posteriormente entrevistaram o presidente da Renova, Roberto Waack. Ouça a conversa abaixo ou no seu tocador de pocasts favorito.

Carregando...

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Leia mais
LEIA MAIS
Fique atento
Fundo de Garantia
Se liga
Estímulo
Jogo legal
Profissionais do Ano
Anatel
Segundo trimestre
Não perturbe
Carteira digital