Fique alerta!

Golpe do chip: criminosos presenteiam vítima com ‘combo’ e tentam extrair dados

Em vídeo que circula no WhatsApp, mulher relata que após receber o chip em sua residência, supostos funcionários ligaram para que ela ativasse a linha

Seg, 10/04/23 - 06h00
Vídeo no WhatsApp mostra suposto golpe do chip | Foto:

“Parabéns. Agora você tem um combo”. Não há isca mais eficaz entre os criminosos do que oferecer um falso mimo ao seu alvo. Segundo uma pesquisa da Serasa, divulgada em fevereiro, 40% dos brasileiros já foram vítimas de golpes financeiros. A nova moda na praça parece que é enviar um chip com falsos benefícios para as residências a fim de roubar dados, como senhas bancárias, de celulares. 

Em um vídeo que circula no WhatsApp, uma mulher mostra que recebeu um chip de celular, lacrado, da Claro. Ela conta que, no dia seguinte, recebeu uma ligação, supostamente da operadora, para ativar o sim card no celular. “Esse chip foi deixado na portaria. Não parece que veio pelo Correio. Não tem selo nem nada. Eles tinham o número do meu celular e o endereço da minha casa”, narra. 

Há diversos cenários de golpes neste caso. Os criminosos poderiam aproveitar a ligação de ativação do chip para extrair dados importantes da vítima, como o CPF. Outra possibilidade seria o golpe de vishing, quando há o sequestro do WhatsApp. O atendente poderia solicitar a confirmação de um código recebido por SMS. Assim, ele poderia ativar a conta do aplicativo da vítima em outro celular e pedir dinheiro de contatos próximos ou fazer falsos anúncios de produtos.  

O chip ainda poderia estar clonado e, caso o número de telefone fosse utilizado para cometer crimes, a vítima poderia ter uma grande dor de cabeça. Neste caso, ela teria que provar que não teve ciência do fim específico da utilização do número. “Se ela teve ciência, responderá pelo mesmo crime e dispositivo legal, independentemente se auferiu ou não algum lucro”, esclarece Négis Rodarte, presidente da Comissão de Processo Penal da Ordem dos Advogados do Brasil - (OAB-MG). 

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) informou que ainda não há ocorrências relacionadas ao "golpe do chip". Segundo o órgão, geralmente, estes crimes são tipificados como tentativa de/ou estelionato. A PC orienta que o cidadão lesado compareça a uma delegacia mais próxima de sua residência para propor a devida representação criminal a fim de que as medidas legais cabíveis sejam adotadas. “O crime de estelionato é de ação penal pública condicionada à representação das vítimas, conforme previsão legal, para o início da investigação”, informou em nota.

A reportagem de O Tempo entrou em contato com a Claro, mas não obteve resposta até o fechamento da matéria. 

Segundo o Código de Defesa do Consumidor, é vedado ao prestador de serviço enviar ou entregar, sem solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer qualquer serviço.  As operadoras de telecomunicações também nunca encaminham técnicos para as casas dos clientes sem agendamento prévio.

 

Criminosos usam até telemarketing ativo para golpes

De acordo com a pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box, de 2022, três a cada quatro pessoas no país já sofreram pelo menos uma tentativa de golpe por telefone. O tipo de golpe mais frequente é o falso sequestro de familiares, seguido pela indução ao compartilhamento de informações financeiras. 

O universo dos golpes está tão organizado que emprega até telemarketing ativo na tentativa de subtrair dinheiro de suas vítimas. Um crime que tem se tornado comum e utiliza deste modus operandi é o SIM swap. Nele, o criminoso utiliza um chip novo e dados dos usuários para se passar pela vítima e solicitar a ativação do número dela em novo chip. Assim, ele obtém o controle de todas as ligações, mensagens e senhas relacionadas àquela conta. 


Se liga!

Uma iniciativa das empresas do setor de telecomunicações permite que usuários possam conferir, através do CPF, quais linhas pré-pagas estão ativas cadastradas nas Prestadoras Algar, Claro, Oi, Sercomtel, TIM e Vivo. cadastropre.com.br/

Linhas pós-pagas, infelizmente, não têm esse serviço. 

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.