Embate

EUA ameaçam Rússia com sanções 'pesadas' em caso de um ataque à Ucrânia

O presidente dos EUA, Joe Biden, já anunciou que está considerando proibir os bancos russos de transações em dólares, por exemplo

Ter, 25/01/22 - 15h37
Vladimir Putin | Foto: Sergei Karpukhin / POOL / AFP

Os Estados Unidos alertaram a Rússia nesta terça-feira (25) para uma possível imposição de sanções "pesadas", em caso de um ataque à Ucrânia, incluindo restrições a exportações. Washington também advertiu Moscou que tentar transformar sua indústria de petróleo e gás em arma seria contraproducente. 

"Estamos preparados para impor sanções com consequências massivas" que vão muito além das aplicadas em 2014, quando Moscou anexou a Crimeia, disse um alto funcionário da Casa Branca que pediu anonimato. 

"Esta não é mais uma resposta gradual. Desta vez vamos começar no topo da escala (de sanções) e ficar lá", ameaçou. 

Os Estados Unidos planejam, de acordo com esta fonte, proibir a exportação de tecnologia americana e "potencialmente de alguns produtos fabricados no exterior que se enquadram nas regulamentações dos EUA" para a Rússia.

"As opções de controle de exportação que estamos considerando com nossos aliados seriam um duro golpe para as ambições de Putin (presidente Vladimir) de industrializar sua economia e afetariam setores importantes para ele, como por exemplo, inteligência artificial, computação quântica, defesa, aeroespacial e outros", explicou o funcionário. 

Ele garantiu também que a Rússia seria afetada por fortes sanções financeiras e que, nessa área, há uma "convergência" com os europeus. 

O presidente dos EUA, Joe Biden, já anunciou que está considerando proibir os bancos russos de transações em dólares, a moeda predominante no comércio internacional. 

O funcionário mencionou ainda um ponto delicado: o fornecimento de hidrocarbonetos russos e, em particular, de gás natural. Os europeus temem que a Rússia feche a torneira. O gás natural russo responde por mais de 40% do fornecimento da União Europeia.

"Acreditamos que estamos preparados para encontrar suprimentos alternativos que cubram uma maioria significativa dos possíveis cortes" na entrega de gás russo, e isso até a primavera, disse o alto funcionário. 

"Trabalhamos com países e empresas de todo o mundo para garantir a segurança do abastecimento e mitigar o impacto nos preços", disse ele. 

Washington e os europeus procuram "identificar volumes adicionais de gás natural... vindos de várias partes do mundo, norte da África, Oriente Médio, Ásia e Estados Unidos". 

O funcionário também assegurou que o uso de energia como arma pode prejudicar Vladimir Putin: a Rússia "precisa da receita de gás e petróleo tanto quanto a Europa precisa de seus suprimentos de energia". 

Os Estados Unidos estão aumentando a pressão sobre Moscou, na esperança de dissuadi-la a atacar a Ucrânia, e colocaram milhares de soldados americanos de prontidão para reforçar as tropas da Otan. 

As forças armadas russas lançaram uma nova série de exercícios perto da Ucrânia e na Crimeia anexada nesta terça-feira.

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.