Atentado

Explosão de carro-bomba na fronteira turca com a Síria mata 13 civis

A cidade de Tal Abyad foi capturada no mês passado, sob a justificativa de que apoiadores do terrorismo se abrigavam lá

Sáb, 02/11/19 - 16h18
Treze pessoas morreram na explosão de um carro-bomba em uma cidade controlada por forças turcas na Síria

Treze pessoas morreram neste sábado na explosão de um carro-bomba em um mercado de Tal Abyad, cidade controlada por forças turcas no norte da Síria, informaram o governo turco e uma ONG.

Segundo o Ministério da Defesa turco, que atribuiu o atentado à milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG), 13 civis morreram e 20 ficaram feridos.

Tal Abyad, na fronteira com a Turquia, foi tomada pelas forças turcas após uma ofensiva lançada por Ancara no mês passado contra as YPG, grupo que o governo turco considera terrorista, mas que conta com o apoio dos países ocidentais na luta contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

"Condenamos da forma mais firme este atentado desumano realizado por terroristas sanguinários das YPG contra civis em Tal Abyad", diz o comunicado do Ministério da Defesa turco.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) deu conta, por sua vez, da morte de 14 civis e rebeldes apoiados por Ancara na explosão, mas não identificou os autores do atentado.

A ofensiva turca no nordeste da Síria, suspensa após dois acordos fechados com Washington e Moscou, que incluiam a retirada das YPG para o sul, busca, segundo Ancara, estabelecer uma zona de segurança ao longo de sua fronteira. Durante esta operação, o Exército turco, apoiado por grupos sírios, tomou o controle de uma faixa de território de 120km de comprimento e cerca de 30km de profundidade de Tal Abyad a Ras al-Ain.

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Leia mais
LEIA MAIS
Diplomacia
Crise
Veja galeria de fotos
Polinésia
Autoproclamado
Pronunciamento
América Latina
Vácuo
Diálogo
Denúncia