Acílio Lara Resende

A morte que pode ter levado um pedaço da liberdade
Publicado em: Qui, 14/02/19 - 03h00

Durante o almoço, que é sempre mais rápido do que gostaria que fosse, mantenho afastados os jornais e desligados o rádio e a televisão, e deixo o telefone a aconselhável distância. Dependendo da insistência, atendo-o. Na última segunda-feira, a insistência foi tanta que não tive alternativa senão ceder ao seu chamado. Por ele, após a última garfada, veio-me a triste notícia do falecimento precoce do jornalista Ricardo Boechat. Foi-se com ele um pedaço da liberdade, mas, sobretudo, da liberdade de imprensa. Fará muita falta.

Boechat morreu em instante trágico para o país, depois das 165 mortes (confirmadas) em Brumadinho, sete no Rio de Janeiro, causadas pelas chuvas que acontecem anualmente, e de dez adolescentes mal alojados no Flamengo, à espera da realização de um sonho que meninos pelo Brasil afora desesperadamente alimentam – o de se tornarem craques, além de financeiramente independentes, por meio do futebol. E, como se não bastasse, após bárbaro crime, ocorrido na comunidade de Surrey, na Inglaterra, envolvendo, coincidentemente, dois mineiros: Aliny Mendes, 39, e Ricardo Godinho, 41, suspeito de matar a facadas a companheira quando esta caminhava com a filha de 3 anos no colo. Aliny tinha mais três filhos menores. Os quatro foram entregues a um abrigo na Inglaterra.

Boechat fará falta ao governo Bolsonaro, que ainda não começou, mas que, pelas notícias, começará logo, após sua alta médica, ocorrida ontem. Saberia, com certeza, criticar os excessos defendidos pelos radicais (de direita) de plantão, que querem abolir a política e implantar o ódio. São tão prejudiciais quanto os que deixaram o poder depois de quase 14 anos. Expõem o governo, que tem “missões” importantes e inadiáveis. “Boechat fará uma falta imensa, neste tempo de polarização política e social do país, porque ele procurava sempre, em cada análise, a palavra justa. Conseguia ser uma espécie de radical do equilíbrio”, disse Míriam Leitão, em sua coluna de anteontem.

Boechat fazia críticas contundentes a qualquer dos lados, à esquerda e à direita, desde que a notícia assim o conduzisse. Brincava ao dizer que o jornalista deveria estagiar num canil para apurar seu faro pela notícia. Às vezes, eu mesmo ficava na dúvida sobre a contundência do que acabara de ouvir no jornal que apresentava. Dava-me a sensação de que usava a palavra como se fosse, apenas, um bom porrete, mas, depois, o aplaudia. E concluía comigo: será que o porrete do Boechat dará conta de afastar os maus políticos? Disse ele, com propriedade, em seu último programa na BandNews: “A impunidade é o que rege, o que comanda a orquestra das tragédias nacionais”.

O colunista José Casado, no jornal “O Globo”, acertou justo no alvo: “Quem, algum dia, desfrutou do prazer de conviver com Ricardo Boechat aprendeu algo sobre o significado da palavra “liberdade”.

(6) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Nestor Martins Amaral Júnior 4:03 PM Feb 14, 2019
Ontem circulou a notícia do falecimento do ex-presidente Sarney. Infelizmente era fake. Quando ouvi sobre a morte de Ricardo Boechat, pensei que fosse fake. Infelizmente não foi. Realmente uma perda irreparável que comoveu o Brasil inteiro.
0
Denunciar

Antônio Jair 3:31 PM Feb 14, 2019
“Não é pra ter medo de 2019, é pra entender que a vida é um sopro, que hoje estamos, mas amanhã podemos não estar mais. Então viva, ame, peça desculpas, perdoe, faça, ajude, porque o tempo passa, e não existe um controle com a função de fazer voltar atrás.” Autoria desconhecida
0
Denunciar

Antônio Jair 3:30 PM Feb 14, 2019
3) Luiz Tito =...que nos sentimos tão pobres de referências, perdê-lo nos faz querer chorar por todos os motivos dos últimos dias. Um choro só. Pela lama (de Mariana/MG e Brumadinho/MG), pelos desabrigados, pelos meninos. Tudo de uma só vez.
0
Denunciar

Antônio Jair 3:29 PM Feb 14, 2019
2) Luiz Tito =...jovem para partir. Boechat recebe agora todos os elogios aos quais tem direito. Sua coragem em falar as verdades no país das mentiras lhe rendeu processos, inimigos, estresse e perseguições. Mas ele teve a sorte de driblar tudo e todos. Teve oportunidades de exercer sua profissão com dignidade, grande público e reconhecido valor. Vá em paz, professor, e obrigado pelas aulas de Jornalismo e de vida. Morre com ele a coragem que a muitos encorajava diariamente. Num momento em...
0
Denunciar

Antônio Jair 3:28 PM Feb 14, 2019
1) Luiz Tito, jornalista = O fatídico acidente deixa uma lacuna por se tratar de um dos jornalistas mais completos do país. Boechat conseguia se comunicar com a classe mais pobre, mas também liderava a preferência dos taxistas, e sempre tinha uma mensagem para os mais intelectualizados. Sinal de que as pessoas conseguiam valorizar a honestidade do jornalista que, da sua maneira, era muito rigoroso no que falava e criterioso na apuração. Sorte por ter realizado seus sonhos, mesmo sendo tão...
0
Denunciar

Antônio Jair 3:26 PM Feb 14, 2019
“A morte de Boechat empobreceu o país. Foi bem mais do que perder um jornalista brilhante, foi perder uma consciência lúcida, iluminada, que sabia ver o Brasil sem partido, sem paixões.” Padre Fábio de Melo
0
Denunciar

LEIA MAIS
Na nossa política, não há nada de estranho nesses dados
Leia mais