Cristovam Buarque

As fábricas a pleno vapor
Publicado em: Sex, 01/03/19 - 03h00

A partir de 2004, os governos do PT ampliaram vagas em universidades públicas, com implantação de cotas e financiamentos para as universidades privadas. Foi uma forma de compensar as fragilidades da educação de base na escola pública, que dificultava o acesso ao ensino superior. Em vez de fazer transformações necessárias para oferecer escola de qualidade para todos, os governos optaram por facilitar o ingresso na universidade – uma espécie de “neoliberalismo social”, atendendo individualmente as pessoas no lugar de reformas estruturais que atendessem a todos.

O número de alunos no ensino superior subiu de 3.887.022 em 2003 para 8.048.701 em 2016. O sucesso foi maior graças às cotas, que permitiram ampliar o número de negros em universidades quase totalmente brancas. O “neoliberalismo social” no ensino superior não resolveu os problemas da má qualidade e da imensa desigualdade de como a educação de base é oferecida. Promover pessoas no lugar de fazer a revolução não produziu os resultados esperados.

A fábrica da desigualdade educacional continuou com a mesma fragilidade do sistema municipal da escola pública. O número de adultos analfabetos é praticamente o mesmo há 20 anos. São frutos da fábrica de analfabetismo, que produz anualmente jovens de 15 anos sem saber ler nem a bandeira brasileira. A perversa fábrica de deseducação impede os resultados da política “neoliberal social”.

O mesmo ocorre agora, com parte da política anticrime apresentada pelo novo governo. Utiliza o método “neoliberal social” dos governos do PT: atacar os problemas pelos indivíduos, no lugar de fechar a fábrica dos males. Antes, os governos colocaram alguns jovens na universidade, agora vão colocar alguns jovens criminosos na cadeia.

A política anticrime de Bolsonaro, mesmo que venha a ter o êxito de aumentar as cadeias, fracassará por não parar a fábrica de crimes de uma sociedade perversa em suas características, da mesma maneira que o êxito petista ao aumentar o número de alunos no ensino superior não impediu que o Brasil continuasse fabricando deseducados. As prioridades dos dois governos são diferentes, os métodos, o mesmo: o “neoliberalismo social”.

O Brasil não mudará enquanto não entendermos que o uso de paliativos não reduz o problema; enquanto não virmos que as mazelas, universidades ou cadeias, têm origem no mesmo lugar: a educação de base. A chance para o país ter baixa criminalidade está na garantia de escola de qualidade com oportunidades para todos.

Há 40 anos, Darcy Ribeiro dizia que, ou fazemos mais boas escolas, ou vamos continuar fazendo mais prisões ruins. De lá para cá, tivemos governos de direita, de esquerda, outra vez de direita, e o remédio continua o mesmo: mais cadeias para prender adultos violentos que não colocamos na escola quando crianças e mais facilidades para ingresso em universidades sem qualidade, no lugar de mais rigor para formar todos os nossos alunos no ensino médio.

(4) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
LulaTaPresoBabaca 6:27 PM Mar 09, 2019
Você AJUDOU a fazer, tudo isso, seu hipócrita!
0
Denunciar

D Werneck 7:01 PM Mar 01, 2019
Você foi ministro e não fez nadas para alfabetizar as crianças , jovens e adultos, ficando tudo na mesma. Agora quer dizer a VERDADE, da Educação, depois de 3 gerações perdidas e jogadas na praças, sem conhecimento, sem condições de emprego, os nem-nem da vida. Por isso o desemprego é alto, e as vagas não são preenchidas. Para que se ache um equilíbrio nisso, todos tem de voltar aos estudos, aprender corretamente, fazer curso técnico perfeito e ir para o abraço. Quanto tempo vai levar: 20 anos.
0
Denunciar

Nestor Martins Amaral Júnior 2:03 PM Mar 01, 2019
Para quem foi reitor da UNB, ministro da educação e senador da república, esse artigo parece um mea culpa. Antes de bater no atual governo, ele deveria distinguir o "One Time" do "On Going". Para o "On going" o raciocínio é correto e está em linha com a proposta do ministério da educação. Ênfase nas matérias curriculares e menos ideologias políticas dentre outras. Quanto ao "On Time" temos que derrotar a violência herdada das gestões passadas e proteger dela a sociedade. Como fazer isso?
0
Denunciar

mario 6:58 AM Mar 01, 2019
Parabéns, muito bom. Só um tonto, pra não ver que essa profusão de faculdades da era PT, caminha de "braços dados" com a ineficiência e baixíssima qualidade do ensino.
0
Denunciar

LEIA MAIS
Leia mais