Fabrício Carpinejar

Os mineiros são invencíveis em festa de casamento
Publicado em: Dom, 25/08/19 - 03h00

Quando organizei o meu casamento em Belo Horizonte, experimentei o primeiro choque cultural. Eu, gaúcho, ela, mineira.

Eram duas festas completamente diferentes. Como os convidados vinham dos dois Estados, meio a meio, tínhamos que escolher um único modelo. 

Não sofremos ao indicar os padrinhos ou para determinar onde cada um sentaria no mapa do salão, nosso dilema estava em definir a sequência das atrações. 

No Rio Grande do Sul, o bufê é servido logo no início da celebração, para o povo comer antes de beber e não passar mal. Há a etiqueta de forrar o estômago para blindar a embriaguez. Por sua vez, em Minas, o bufê costuma ser no final da festa, como ápice do enlace. Lembro que travei um debate acalorado com a noiva. Por pouco, não nos separamos ali. 

Ela dizia que não fazia sentido servir no início: as pessoas acabariam com sono de bucho cheio, despediriam-se cedo e a evasão seria um desastre. 

Expliquei que nunca, o bom tom recomenda a comida no começo, para atender aos mais velhos e permitir que eles não passassem mal com a espera. 

– Os pais e tios estão acostumados a comer cedo! Não podemos ferir a rotina deles, pontuei.

Beatriz soltou uma gargalhada. Odeio que comecem a rir numa discussão. Considero a maior falta de respeito. Mas ela não me deu mais chance para argumentar. Falou que estava sendo preconceituoso, que não conhecia o temperamento festeiro local e que casamento deveria seguir o jeitinho dela para dar certo.

Provoquei até onde consegui e tirei o meu time de campo. Só me restou assentir com a cabeça e escutar o tutorial. 

– Os velhos são os mais loucos da festa. Eles são os primeiros a dançar e arrastam os netos para a pista. Não existe aposentadoria para a alegria. Viram a chave de luz, não tem mais essa de idade. Casamento religioso é um acontecimento para a vida inteira. Não é exclusivo para gente jovem pirar, todos piram. Vovós e vovôs renderão os melhores vídeos e memes, verdadeiras celebridades da autoconfiança. 

– Sim, senhora! 

– Beber é uma arte aqui. Basta reparar na quantidade de botecos. Ninguém é fraco para ter que comer primeiro. Bebe-se na véspera, durante e depois. Não existe o amanhã. A festa acabará com o último gole de uísque. 

– Sim, senhora!

– Colocaremos a banda para abrir a recepção. Não tem um momento para dançar. Deixar a música ao vivo para o encerramento apenas desanimará o pessoal. Está casando com uma mineira, não uma gaúcha, então não me decepcione. 

– Sim, senhora! 

– As refeições são no final porque os mineiros comem para ressuscitar e voltar a beber. É uma segunda vida dada de graça. Verá que a festa vai ter um novo pico à meia-noite, como se estivéssemos voltando no tempo. Pela energia, parece que os convidados são penetras recém chegando. 

– Sim, senhora! 

– Todos vão repetir o prato mais de uma vez. Se possível, provarão das três opções do cardápio. A euforia aumenta a curiosidade. Conte com o excedente. Se são 200 convidados, fundamental providenciar provisão para 600 convidados. Mineiro feliz come por três pessoas. 

– Sim, senhora!

– Aliás, teremos que mandar o povo embora, ninguém sairá por livre e espontânea vontade. 

Não foi registrada nenhuma baixa mineira na festa. Nenhum integrante da turma de Beatriz caiu de bêbado, enjoado e desprovido de condições de caminhar. Foram, realmente, os últimos a abandonar o tapete vermelho, 4h30 da manhã, claramente contrariados.

Já, para a minha decepção pessoal, seis desnorteados amigos gaúchos, atropelados pela ordem dos acontecimentos, encontraram-se abraçados no vaso, rezando pelo aeroporto de Confins.

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Reinaldo de Magalhaes Moreira 7:19 PM Aug 27, 2019
Se sobra chopp o pessoal liga prá ver se dá prá passar lá no dia seguinte...
0
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
A primeira vez
À moda da casa