Luiz Tito

Luiz Tito escreve de segunda a sábado em O TEMPO

Meio ambiente II

Publicado em: Seg, 29/11/21 - 04h00
Meta do Brasil na agricultura é restaurar e reflorestar uma área de 12 milhões de hectares

Essa região tem como alternativas a pecuária de corte e de leite, a última menos representativa, e ambas precisam de pasto, que muito sofre com a falta de chuvas. A geração de energia solar também vem se apresentando como investimento propício, conjugando o valor das terras e a forte insolação. Mas tudo vai ficar suspenso. O Estado tem a dimensão do ônus que representa para o já achatado produtor ter que custear a pesquisa e a geração de informações sobre a fauna e a flora? Para se conhecerem tais características estão sendo, com essa resolução, transferidos para o proprietário de terras e o investidor esses ônus. Uma região que pagou o preço de seu abandono político, agora vai pagar por ter reservas que foram preservadas pelo desinteresse político, pelo subdesenvolvimento, mas com miséria e fome. Isso é uma condenação perpétua. Pergunta-se se há parlamentares que representam aquela região, na Assembleia e na Câmara. É função do IEF e da Semad legislar? Já não chega o preço que paga o Projeto Jaíba para existir? 

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
LEIA MAIS