Paulo Navarro

Doar e receber
Publicado em: 16/06/19 - 03h00

Doar e receber

É doando primeiro que se recebe depois, certo? Mais ou menos. O ideal é dar, doar, sem nada de volta esperar. Não é caridade, muito menos esmola, diversão ou consciência pesada. É coisa bem mais nobre; solidariedade, compaixão, ação e amor pelo próximo. Doação de si mesmo e, claro, de tempo e dinheiro. Graças a Deus, a muitos homens e mulheres, com o frio, chega a estação das festas beneficentes.

Doar e acreditar

Uma felicidade, um consolo, uma grande fé no ser humano perceber e ver que é cada vez maior o número de pessoas da sociedade, artistas, jornalistas, voluntários, grandes empresas etc; todos engajados nas mais variadas causas sociais. Desde as tragédias de Mariana e Brumadinho até o cuidado e acolhimento de idosos e crianças, passando por pessoas com deficiências ou em tratamento contra doenças como o câncer.

Doar e investir

São muitas as ações. Entre elas, as da BrazilFoundation, da Associação Mineira de Reabilitação (AMR), do Hospital da Baleia, Proação, Cape, Mano Down. Esse tipo sério de comprometimento merece eco e incentivo. Que continuem os jantares, chás, desfiles, feijoadas. Com a confraternização entre veteranos, nascem novas gerações. Gerações que se cruzam em torno de fundamentais causas sociais. Gente bonita e elegante, por dentro e por fora, para ver, ser vista e servir de (ótimo) exemplo.

Doar e insistir

Falemos e registremos, pois, uma das ações mais recentes – e uma das maiores também. Vítimas de Brumadinho, moradores do Parque da Cachoeira, claro, ainda sentem na pele e na memória as nefastas consequências da tragédia. Depois de mais uma grande festa, no dia 7, a BrazilFoundation, que visitou a região, voltou para casa com lições de solidariedade e esperança.

Doar e voltar

A BrazilFoundation, além da fundamental ajuda com recursos, vai além. Esquecer nunca, resiliência para a recuperação. O foco é a esperança, muito trabalho e reconstrução. Que as vidas perdidas não sejam apenas um vão nem tenham sido em vão. Obrigatório lembrar que Minas, de novo, conheceu heróis de verdade, e não os do “Big Brother Brasil”, como quer Pedro Bial. Estamos elogiando, eternamente, os bombeiros.

A atriz Flávia Alessandra, fazendo e acontecendo no BrazilFoundation Minas Gerais.

 

Doar e imaginar

O porta-voz dos bombeiros, Pedro Aihara, agradeceu à BrazilFoundation: “Em um momento como esse, de reconstrução, você recuperar a convivência social de uma comunidade é muito importante. Nossa responsabilidade com a prevenção é muito maior do que se imagina”, finalizou Aihara.

Impérios dos sentidos

A bordo do prêmio Miele One to Watch, do ranking Latin America’s 50 Best Restaurants, a carreira internacional da chef curitibana Manoella Buffara ganhou mais sabor. Manu fez a lista com as melhores cidades do mundo onde se come bem. Istambul, Turquia; Nova York, Estados Unidos; Zurique, Suíça; Cidade do Cabo, África do Sul; Copenhague, Dinamarca; Lima, Peru. Paris, claro, e Adelaide, Austrália. Mas, para negócios da China, Manu escolheu Nova York, onde vai inaugurar seu Ella, em agosto.

Asnos de pau

Não bastassem os “pegas” de carrões no Belvedere e no Vale do Sereno, mocinhos bandidos agora voltam suas Ferrari, Maserati, Jaguar e outros turbinados para o “cavalo de pau”. O encontro semanal, com direito a churrasquinho e bebidas alcoólicas, acontece das 22h às 3h, em frente à igreja Bom Jesus do Vale. Sugerimos que, na próxima, na plateia, esteja a polícia. E que, depois, a punição não seja a leitura, que, para essa gente, é tortura. Pode ser “bater asfalto”, aparar capim com os dentes...

Na mesma noite de gala na Casa Tua, Camila Chiari emprestando sua beleza ao evento.

Colorindo a festa beneficente, a gatissíma Thatiane Sales Araújo.

Lança-prefume

Sonhem! Companhias de aviação que possuem apenas classe executiva.

Já imaginaram entrar em um avião, andar até o último assento da aeronave e, ainda assim, estar na classe executiva?

Esse é o caso dos chamados “all business class flights”. Aeronaves que possuem apenas assentos de executiva.

Atualmente, duas companhias operam esse tipo de voo: a francesa La Compagnie e a British Airways.

A La Compagnie, por exemplo, recentemente, começou a operar um A321neo entre Paris e Nova York: 76 assentos de classe executiva. O preço? Mil euros.

Já a British opera entre Londres e Nova York: 32 assentos de executiva em uma configuração dois-dois

Aviões privados? A rede de hotéis Four Seasons e a empresa brasileira Latitudes possuem, cada uma, um 757-200 apenas com classe executiva. Roteiros privados e excursões de luxo.

Pausa para nossa humilde opinião ou apenas um comentário. Aviões sofisticados, classes executivas, voos privados. No mercado de luxo, como sempre, nada de crise.

Crise é para os fracos! Nós ficamos apenas curiosos para saber, afinal, onde está esse dinheiro que não é injetado em nossa economia.

Que realidade surreal é essa? Dinheiro para investimentos não desaparecem, ficam esperando a próxima especulação ou o “céu de brigadeiro”.

Certamente esse tesouro está hospedado em bancos suíços e outros paraísos fiscais. É o Brasil cada vez mais Brasil. O mundo como ele é, mas não deveria ser.

A marca Asas da Terra, das irmãs Claudia e Mariângela Chiari, busca inspiração na natureza, na fotografia e na arquitetura para desenvolver seu trabalho autoral.

Netas de imigrantes italianos, a as duas sempre conviveram com a marcenaria, presente no DNA da família e que inspira a criação de objetos de linhas puras em madeira de reflorestamento.

Essa arte, aliada à fotografia de Mariângela Chiari, reforça o caráter autoral do trabalho.

Destaque especial para as peças que valorizam ícones de BH e mineiridades.

A Asas da Terra esteve, recentemente, na Benquisto Feira, no Shopping Minascasa. Não percam a próxima.

 

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso