Ricardo Sapia

As mães da pandemia

Publicado em: Sex, 19/06/20 - 14h09
audima

Ontem, passando pelo aplicativo que foi considerado uma ameaça cibernética pelo país do Tio San, o TikTok, me deparei com um vídeo, engraçado por sinal, em que uma mãe se esconde do filho na hora das agora famosas lives escolares, aulas síncronas (que permitem interação em tempo real), encontros online e seus devidos nomes, mas de mesmo significado. Num primeiro momento, confesso que dei risada, pois a cena é mesmo engraçada.

Mas quem são essas mães que hoje estão em casa, ensinando seus filhos, trabalhando literalmente como pedagogas? Elas ensinam matemática, língua portuguesa, história, geografia, física, química e outras ciências, mas ressalto aí uma das mais importantes, a ciência da vida. Essas mães que, às vezes, parecem não ter paciência, não se cansam nunca e estão ajudando a formar uma nova geração, uma geração única, uma geração que já é parte da nossa história.

Essas mães estão entregando com excelência o que lhes foi imposto. Elas são as mães “particulares”. E as mães “públicas”? Elas conseguem entregar com tanta excelência a educação de seus filhos? 

Aí fica a minha pergunta: os governos municipal, estadual e municipal estão entregando com excelência o ensino público?

Outro detalhe que chama a atenção são os valores cobrados pelas escolas particulares. Todas estão fechadas, com um custo bem abaixo daqueles de momentos anteriores, já que gastam menos com luz, água, horas extras de funcionários etc. Algumas optaram por não conceder desconto algum, outras se pegaram em valores mínimos, alegando que a inadimplência está grande, e, mais uma vez, neste país quem é bom pagador acaba pagando para os maus.
Previsões muitos fazem, mas a única certeza que temos é que 2020, pelo menos para a educação, já acabou, infelizmente.

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
LEIA MAIS
Sapia
Sapia
Coluna
Ricardo Sapia
E agora?
Opinião