Roberto Andrés

Fumantes compulsórios
Publicado em: Sex, 23/08/19 - 03h00

Passei o primeiro semestre fora do Brasil, desenvolvendo minha pesquisa de doutorado junto à Universidade de Estudos de Florença, na Itália. Foi um período de aprendizado – e de uma vida mais tranquila, em que minhas filhas iam de bicicleta para a escola e brincavam na rua.

A Itália tem uma das maiores taxas de motorização (percentual de carros por habitantes) da Europa, bem mais alta que a brasileira. Mas, em muitas regiões do país, há políticas urbanas efetivas, dentre elas a restrição ao uso de automóveis nos centros. Assim, muitas cidades são amigáveis para quem caminha ou pedala.

De volta ao Brasil, me deparo com a enormidade de carros atravessando diariamente o centro de Belo Horizonte. O trânsito, doente, agoniza na estridência das buzinas. A perda de tempo e a frustração coletiva são evidentes.

Morando na região central, temos andado muito a pé, de ônibus ou de bicicleta. O ar poluído seca a garganta, notamos já no primeiro dia. Com o passar do tempo, habitua-se. Mas isso não é normal: as cidades brasileiras têm níveis altíssimos de poluição do ar.

Monitoramento feito na praça Rui Barbosa, no centro de Belo Horizonte, mostra que ano a ano a quantidade do poluente MP10 excede os níveis recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de 20 mg/m³. Mesmo os níveis tolerados na legislação nacional, que é mais permissiva (50 mg/m³), foram excedidos em 2011. Com o aumento da frota, a tendência foi a situação piorar nos anos recentes.

Na imensa maioria das cidades brasileiras, o monitoramento da qualidade do ar nem sequer é feito. Onde há monitoramento, os índices estão nas alturas.

Segundo um estudo do Instituto Saúde e Sustentabilidade, coordenado pelo médico e professor da USP Paulo Saldiva, o total de óbitos causados pela poluição do ar em São Paulo (11,2 mil, em 2015) é maior que as mortes causadas por acidentes de trânsito (7.867), câncer de mama (3.620) ou Aids (2.922).

Inalar o ar da capital paulista por duas horas equivale a fumar um cigarro. Somos todos fumantes compulsórios. Doenças como arritmia, infarto e derrame cerebral representam 80% dos efeitos da poluição do ar, que está, também, relacionada à metade dos casos de pneumonia em crianças.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, ocorrem 7 milhões de mortes prematuras ao ano em função da poluição no mundo – 800 pessoas por hora. Os mais afetados estão em países da África, da Ásia e da América Latina, onde as frotas são mais poluentes e o uso de automóveis é corriqueiro.

Sim, o automóvel é o principal causador de poluição em cidades, respondendo por 65% das emissões do trânsito. Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que carros poluem 36 vezes mais que metrô e nove vezes mais que ônibus para transportar o mesmo número de passageiros pela mesma distância.

O perverso do modelo do automóvel é que ele privatiza os benefícios e socializa os prejuízos. Enquanto carros são os grandes poluidores, motoristas são bem menos afetados do que pedestres, categoria que mais respira ar poluído e menos polui. Como dá para imaginar, os mais afetados são os mais pobres, que passam mais tempo em trânsito.

Ao final, todos perdemos. Apenas começa-se a conhecer os impactos na saúde gerados pela poluição do ar com novas revelações de problemas cerebrais, abdominais e nos órgãos reprodutivos, para além de coração e pulmão.

Soluções? Basta seguir as diretrizes da OMS: investimento em transporte coletivo, com corredores exclusivos e redução da tarifa, em ciclovias, em áreas verdes urbanas, tecnologias menos poluentes e restrições a automóveis.

Infelizmente, nada disso tem sido prioridade. As prefeituras têm avançado pouco. Em Belo Horizonte, não há notícias da retomada das ciclovias e dos corredores exclusivos, e a tarifa de ônibus está nas alturas. Já o governo federal aumenta a tarifa do metrô (o que retira usuários do meio de transporte mais ecológico) e flexibiliza o controle de emissões por motocicletas, favorecendo poucos empresários em detrimento da saúde da população.

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
mario 6:58 AM Aug 23, 2019
Desde 1963, quando cortaram todas árvores da Afonso Pena, que embelezavam a cidade, ficou patente a estupidez e barbaridade desse povo.
1
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS