Influenciadores

Inspiração que vem pelas redes

Ideias criativas ao alcance de todos: blogs, sites, perfis e canais voltados à decoração espraiam-se no universo online, arrebanhando seguidores

PUBLICADO EM 03/02/19 - 02h00

Mesmo explorando vertentes distintas, muitas pessoas que decidiram transpor a paixão pelo universo da decoração para o universo online têm como denominador comum o fato de terem dado início às iniciativas – blogs, sites, perfis no Instagram ou afins – sem grandes pretensões, acabando por conquistar um séquito de seguidores. São casos como o da hoje apresentadora Thalita Carvalho, que deixou o mundo da publicidade para investir no blog Casa de Colorir – que, por sua vez, a catapultou ao posto de apresentadora do programa “Mais Cor, Por Favor”, do GNT.

Em Minas Gerais, são vários os exemplos. Há 12 anos, a designer Erika Medeiros, que até então transitava pelo mundo corporativo, resolveu apostar suas fichas na paixão pela decoração, mas com um norte bem definido: queria mais do que projetar um espaço que reunisse conforto, funcionalidade e apelo estético. “Gosto de trabalhar a questão do resgate das memórias, de ter a história do cliente representada na decoração”, frisa. Em outubro de 2014, ela disponibilizou o primeiro post do perfil Inspira Casa (@inspiracasa).

De pronto, a iniciativa gerou controvérsias. “Ao começar a falar em ambiente com história, houve quem questionasse: ‘Você não acha que está indo para uma linha muito paz e amor, não?’. Mas sempre acreditei (nesse viés) e, de dois anos pra cá, percebo que a decoração afetiva virou até mesmo um modismo. Em palestras e workshops, falo muito sobre a origem da palavra ‘afeto’, que, na verdade, envolve uma relação, ou seja, não é só usar um objeto antigo na decoração ou coisas que remetem a determinada época. É você trabalhar a relação da pessoa com o espaço. Como ela se vê ali? Que sensação tem quando entra no ambiente?”, desafia. Erika reconhece: “No início, via que um ou outro cliente parecia pensar: por que essa mulher quer tanto saber de emoção, de sentimento, se nem psicóloga é? (risos). Hoje, vejo que não há mais resistência alguma – ao contrário”, festeja.

Faça você mesmo. Criado um pouco antes, em 2012, o Blog do Edu (doedu.co/blog/), de Edu Mendes, despontou na sequência do boom das blogueiras de moda e de decoração. “Mas os estilos que eu via ali (na web) não conversavam comigo. Costumo brincar que eram meio fru-fru. Veja, não que fossem masculinos ou femininos, ‘jogo de lençol floral’, não é isso. E, naquela época, eu tinha acabado de me mudar para uma casa e pensei que, se eu estava procurando (informação diferenciada), certamente outras pessoas também”, relembra.

O Blog do Edu nasceu como “um cara conversando sobre decoração”, rememora ele. “Veja, estamos falando de 2012, e isso, na internet, soa como 200 anos”, compara. Como a apresentadora Thalita Carvalho, Edu veio da publicidade (especificamente, da área de criação). “O blog foi crescendo e virou um negócio sem ser o propósito”, diz ele, que hoje tem um canal no YouTube, dá cursos e palestras e acaba de inaugurar uma loja no Mercado Central, a do.Edu Store BH.

Confira alguns perfis de Instagram para você se situar neste universo

Blog do Edu, de Edu Mendes: @doedu.co 

Decor 29, de Larissa Fernandes e Fred Viana: @decor29

Casa dos Fundos, de Dayrene: @casa_dos_fundos

Inspira Casa, de Erika Medeiros: @inspira_casa 

Apartamento 203, de Nathália Candelária: @apartamento_203 

Isa Domingues: @isadomingues 

Casa de Colorir, de Thalita Carvalho: @casadecolorir 

Maurício Arruda: @mauricioarruda  

@decoracomagente

Débora Alcântara: @apartamento.33

Heri Carvalho: @apartamento_801 (lifestyle + gatos)

@apartamento84

@apartamento_203 

@nossoape.44 

Mayara Sá: @apto161 

@apartamento.33

@ape.41

O diário de uma mudança

Como Edu Mendes, a estilista Larissa Fernandes inaugurou seu perfil no Instagram (@decor29) quando, ao lado do marido, o publicitário e fotógrafo Fred Viana, se mudou. “A gente estava procurando uma casa e compramos uma, muito antiga, no Prado, onde, à época, eu tinha uma confecção (que fechou no ano passado)”, narra ela, lembrando que a opção por não morar em apartamento se deveu ao fato de Fred ter tido o propósito de construir um estúdio. “Isso tem quatro anos, quase. De pronto, a gente queria fazer muita coisa, e demos início a uma obra pesada, tiramos parede. A obra em si não mostrei tanto no Instagram. Mas, quando pensei em decorar, passei a pesquisar fotos no Pinterest e quis compartilhar as coisas legais que achava, ou seja, o perfil não nasceu necessariamente para mostrar a minha casa – mesmo porque nem sabia como ela ia ficar e, ainda, isso não era muito comum no Instagram. Portanto, eram imagens de inspiração que, hoje, nem estão mais lá, acabei apagando”, conta.

Com o quebra-quebra da obra, o orçamento para a decoração ficou reduzido. E foi nessa fase que a criatividade entrou em campo. “Foi aí que comecei a mostrar mais da casa – e acabei vendo que isso era mais legal. Assim surgiu o Decor 29, sendo que o número veio do fato de a gente ter nascido no mesmo dia, no mês de março, ainda que em anos diferentes. Achamos que era um número importante, que deveria estar ali, representando a nossa casa”, conta. Com a sucessão de postagens, a repercussão surpreendeu o jovem casal. “Rapidinho, a gente já estava com muitos seguidores. Mesmo não sendo o nosso foco – a gente tem outros trabalhos –, o perfil nos trouxe muita coisa, como amigos maravilhosos, gente que entende o que estamos falando e que tem paixão pela decoração, porque vira isso, a gente começa a ver tudo de outra forma. Eu, que venho da moda, acho que hoje é meio a meio, o interesse por esses dois universos”, pontua. O contato com os seguidores, frisa, quebrou a barreira do virtual. “A gente conseguiu transpor esse mundo (online) para o real, e isso é muito bom”, sustenta.

Dicas para ser um influencer de décor

Início. Não há muito segredo. De início, vale seguir os perfis de Instagram que mais se afinam com o seu estilo, bem como acompanhar os mais antenados programas de TV voltados à decoração. E, hoje, são vários, disponíveis.

Site. A dica é contratar um bom designer e, claro, caprichar nas fotos. Se for possível, faça um curso para edição dos vídeos. 

Escolha o seu nicho. Não adianta atirar para todos os lados; tampouco se enveredar por um território que não se afine com a sua verdade interior.

Nada de exibicionismos. O mundo não comporta mais tanto consumo, e, em meio a uma crise econômica, a tendência é que as pessoas se voltem mais para o artesanal. Soluções descomplicadas e o oportuno “um coisa vira outra” são assuntos que geram muito interesse.

Sem despender muito dinheiro

Edu e Larissa advogam a causa do “faça você mesmo” e do reaproveitamento. A estilista, por exemplo, instalou dois balanços na sala que causaram frisson. “Os seguidores têm um carinho imenso pela história deles, e acho que já influenciei muita gente a ter similares. Hoje, são mais comuns, inclusive em cafés, mas o meu é um balancinho simples, uma madeira com duas cordinhas, e, na verdade, comprei na feira da Afonso Pena. São dois e estão, literalmente, no meio da sala”, situa.

A estilista, aliás, ressalta que é fã de carteirinha da máxima do reaproveitamento. “Tenho muitos, muitos objetos de segunda mão. Alguns podem ser chamados de vintage, outros são simplesmente de segunda mão mesmo. São poucas as coisas compradas em loja. Tento mostrar que é possível ter uma casa legal sem gastar muito. As nossas luminárias, por exemplo, a gente que fez. A estante, idem. O pé de parede, a gente pregou. Mostro que é possível transformar um móvel de escritório num rack, um pallet pode servir de mesa. A cabeceira da nossa cama é uma grade de janela”, exemplifica.

Mas Larissa admite que a casa ficou mais famosa quando, por conta de uma infiltração, decidiu descascar a parede do quarto. “A gente mostra esses problemas também para os seguidores e vai recebendo retornos fofos. Acho que é o que mais me alimenta, o que me faz querer continuar fazendo. Claro que tem haters, mas o que prevalece são pessoas que compartilham dicas e que têm uma predisposição enorme em ajudar”, afirma.