Remuneração

Zema vai devolver dinheiro recebido indevidamente com auxílio-refeição

Governo apontou irregularidades nos pagamentos dos três primeiros meses do ano

Qua, 17/04/19 - 18h27
Romeu Zema (Novo) aprovou o almoço no Restaurante Popular II e afirmou que o local cumpre um papel social importante

O governador Romeu Zema (Novo) e o vice Paulo Brant (Novo) vão devolver aos cofres públicos o valor referente a três meses de auxílio-refeição que eles receberam indevidamente nos três primeiros meses do ano. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Fazenda (SEF) e pela Controladoria Geral do Estado (CGE).

De acordo com nota enviada à imprensa, nos três primeiros meses deste ano, foram depositados equivocadamente nas contas do governador Romeu Zema e do vice, Paulo Brant, valores correspondentes ao auxílio-refeição, benefício implementado no Estado em janeiro de 2016. Em janeiro o valor foi de R$ 1.034,00 e em fevereiro R$ 940,00. Ainda não há um levantamento sobre o valor depositado indevidamente no mês de março.

Segundo o governo, após a detecção da falha de procedimento, o benefício foi devidamente bloqueado neste mês e os valores serão devolvidos aos cofres públicos. "O governo de Minas esclarece ainda que o auxílio-refeição só é pago aos servidores efetivos e aos ocupantes de cargos em comissão e recrutamento amplo. Essa mesma falha no sistema da folha de pagamento já aconteceu em 2016 e também foi devidamente corrigida. Para que o problema não se repita, o sistema foi recentemente adequado com a utilização dos códigos dos cargos de governador e de vice-governador para o bloqueio do benefício", diz o comunicado.

Procurada, a CGE afirmou que quando a folha de 2019 começou a ser disponibilizada no Portal da Transparência, foi identificada que a remuneração básica bruta estava contemplando os valores referentes ao auxilio-refeição e que avalia colocar esses valores em um campo separado para melhorar a transparência.

Podcasts Relacionados

(10) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Roberto Ferreira Barbosa 9:57 AM Apr 18, 2019
Auxílio refeição de 1.094 reais por mês? Os servidores não tem do que reclamar pois não existe empresa privada que pague isso aos seus colaboradores/mês. Uma refeição na CAMG custa em media 15 reais dia...
3
Denunciar

Jaspion Jiban 7:38 AM Apr 18, 2019
E os secretários em conselhos de estatais. Vai cortar e mandar devolver o dinheiro?
0
Denunciar

FLORIANO DE SOUZA 1:59 AM Apr 18, 2019
Pura purotecnia. Corta os jetons do secretariado. Mas, chama a atencao o valor do vale ref. Maior duas vezes do que de qualquer servidor.
1
Denunciar

pedro mito 11:32 PM Apr 17, 2019
Eu acho um absurdo os pomiciais ganharem ZERO de auxilio alimentaçao
4
Denunciar

Midiota 10:06 PM Apr 17, 2019
É muita demagogia!!!! Se está preocupado com os cofres públicos, porque triplicou os rendimentos dos cargos comissionados que você tanto criticava? Porque não executa a dívida dos empresários sonegadores? Sua sorte é que muitos têm aversão ao Pimentel e ao Aécio, e o cargo caiu no seu colo.
1
Denunciar

Maria Silva 8:48 PM Apr 17, 2019
Que estranho! Ninguém via nada de errado nos mal feitos do pilantra réu. Agora ficam de olho em auxílio alimentação! Ah vai...
6
Denunciar

Midiota 10:08 PM Apr 17, 2019
Atualiza aí minha senhora, quem está no governo é o Zema!
6
Denunciar

Esteves 9:09 PM Apr 17, 2019
Hoje saiu noticia do Pimentel no Jornal.
6
Denunciar

Esteves 8:18 PM Apr 17, 2019
Tem Politico de Direita no Brasil que Pede Estado Minimo só da boca pra fora, na Real foi Auxilio Moradia desde 1995, Cota Parlamentar, Auxilio Mudança, 400 Mil de tratamento no Hospital etc. Tem Direita Raiz e Direita Nutella. E o povo ainda chama o cara de ''Mito''
1
Denunciar

Esteves 8:16 PM Apr 17, 2019
Boa Atitude!!! Não é uma fortuna, mas pelo menos já mostra respeito com Dinheiro do Contribuinte do Estado de Minas Gerais.
6
Denunciar

LEIA MAIS
Mais um
Operação
Avanço
Educação
Contingenciamento
Injúria
Orçamento
Sem Reajuste
Máfia dos Sanguessugas
Habeas corpus
Leia mais