As lições ambientais que Hugo Werneck nos deixou

Centenário do defensor da natureza passou em branco

Sex, 03/05/19 - 03h00

No mês passado, deveria ter sido comemorado o centenário de nascimento do dentista e defensor da ecologia Hugo Eiras Furquim Werneck, nascido em 30 de março de 1919. Entretanto, nada foi feito para homenagear aquele que é considerado o “pai do ambientalismo brasileiro”. A data simplesmente passou em branco, justamente num momento em que Minas Gerais enfrenta os reflexos da tragédia de Brumadinho e a proteção ao meio ambiente se torna mais imperiosa do que nunca.

A trajetória de Hugo Werneck revela como é possível uma pessoa contribuir de forma tão relevante para a transformação das vidas de seus semelhantes. Belo Horizonte tem uma dívida com ele. Era dele a primeira voz que se levantou contra a destruição da serra do Curral, ainda na década de 1950. À época, ninguém conseguiu entender a importância do alerta que Werneck fez, e nenhuma providência foi adotada para assegurar a proteção da serra, vitimada pela exploração predatória das mineradoras, incêndios criminosos e outros danos causados pelo ser humano.

Apaixonado pela proteção das aves, o dentista Hugo Werneck se dedicava a soltar passarinhos em áreas verdes onde eles teriam boas condições de viver e procriar, numa cruzada particular pela sobrevivência de tais espécies. Para isso, ele enchia uma Kombi antiga com espécies nativas resgatadas de cativeiro e as libertava onde elas tinham condições favoráveis para viver e procriar. Uma das aves que contavam com a proteção de Werneck era o pintassilgo, espécie da Mata Atlântica que já esteve gravemente ameaçada de extinção, mas sobreviveu e hoje tem como um de seus habitat justamente a serra do Curral.

Esse gesto fez que, em uma ocasião, Hugo Werneck fosse perseguido por policiais ambientais, que acharam que ele era um traficante de aves silvestres. O mais curioso é que, na infância, ele tinha o hábito de pegar passarinhos e pôr na gaiola. Seu pai, o famoso médico Hugo Werneck, que hoje dá nome a uma praça em Belo Horizonte, o deixou de castigo em várias oportunidades. A tarefa imposta ao futuro defensor da natureza era escrever pelo menos cem vezes a frase “Maltratar animais e plantas é indício de mau caráter”. A lição paterna foi aprendida.

O pioneirismo e a dedicação do “libertador de aves” acabaram tendo repercussão. Em 1993, ele foi convidado para presidir a Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte. Também atuou no Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) e no Conselho Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte (Comam). Sua atuação também o levou a se tornar palestrante e consultor de empresas que buscavam implementar iniciativas de preservação ambiental. Chama atenção nesse campo de atuação de Hugo Werneck sua preocupação com a educação e a conscientização da população onde tais projetos eram implantados.

Ele acreditava que a interação do homem com a natureza é essencial para a recomposição do meio ambiente e que o afeto era o caminho para tornar essa conexão uma realidade. “O amor que dedicamos à natureza e ajuda ao próximo é o que nos ensina. Essa é a beleza da natureza. Tudo o que fizermos por ela retornará a nós mesmos”, afirmou em uma entrevista em 2008, quando já estava gravemente enfermo. São lições que temos o compromisso de difundir, reverberando o que Hugo Werneck nos ensinou. Ele tinha certeza da vitória da natureza contra a devastação. Mesmo num momento de destruição como o que vivemos, é necessário manter e ampliar essa esperança.

(5) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Lucas 9:57 PM May 03, 2019
Alguma surpresa? Estamos vivendo numa época em que o ministro do meio ambiente é um criminoso condenado por fraude ambiental para favorecer mineradoras e tem gente que acha isso normal.
0
Denunciar

Eden Arcanjo Arcanjo 9:16 PM May 03, 2019
Parabéns Gabriel por tão tênue lembrança! Infelizmente não conseguem entender que se acabarmos com a natureza não teremos nada. Nem o rico dinheirinho ganho dos bons salários pagos pelas mineradoras e outras atividades predatórias. Infelizmente todos estão deixando esse assunto para depois que será tarde demais. Basta subir até o mirante da Baleia e ver o Caos.... Parabéns!!!
0
Denunciar

FLORIANO DE SOUZA 3:57 PM May 03, 2019
Tem varias areas em BH que podem virar parque. Veja o caso da Granja Werneck. Se proteger aquela area já será um grande avanço.
0
Denunciar

FLORIANO DE SOUZA 3:55 PM May 03, 2019
Caso queira contribuir ajude a criar mais parques ecológicos em BH. Se quiser saber onde falo agora? No bairro Havai em uma area enorme na rua da represa, onde poderia virar parque. Neste bairro não tem parque e a area faz divisa com a Ventosa o que ajudaria a todos. No Betania na avenida Tereza Cristina tem duas areas que poderiam virar parque. Uma de frente para a UMEI Maria Sales que a MRV pretende construir mais predios. Outra de frente para o Posto Arrudao. Neste local tem até uma lago.
0
Denunciar

Rodrigo silva 9:17 AM May 03, 2019
Gabriel, entendo o seu sentido politicamente correto querido mas você está indo no sentido errado! O povo que sustenta seus mega salários fora os por fora que vocês têm, precisa trabalhar queridão. A tragédia de Brumadinho não aconteceu porque deveríamos preservar o meio ambiente, aconteceu sim por falta de técnica que não foi respeitada e que vocês analfabetos funcionais com cargos importantes não fazem nem ideia do que é!. E então, vai escolher preservar o meio ambiente com o povo passando fome, ou prefere gerar emprego?
9
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
É função da prefeitura ampliar a rede de ciclovias e ciclofaixas
Impediu-se que o projeto fosse votado de forma autoritária
Tornar a cidade mais saudável em sustentável cabe a todos nós