Siga-nos nas redes sociais:

Marcus Pestana

Marcus Pestana é secretário geral do PSDB e escreve aos sábados em O Tempo

Marcus Pestana

A repetição de erros pelo PT

Publicado em: Sáb, 11/06/22 - 03h00

A frente política “Vamos juntos pelo Brasil”, liderada pelo ex-presidente Lula, publicou para consulta pública o documento “Diretrizes Programáticas”.

De pronto, cabe ressaltar, que a iniciativa de democratizar o debate é extremamente positiva. Todas as candidaturas deviam fazê-lo. A federação PSDB-Cidadania tem também se esforçado para produzir uma dinâmica participativa com a realização do seminário “Um Novo Rumo para o Brasil” e a promoção do “Curso Preparatório para Candidatos, Candidatas e suas Assessorias”, que contou com mais de 1.500 inscritos.

Um dos traços mais preocupantes na democracia brasileira é a fragilidade dos partidos. Pouquíssimos entre os 32 registrados no TSE têm uma visão e um projeto de país. A maioria se rende ao pragmatismo mais raso.

Dito isto, vamos ao documento. Há uma preocupação da candidatura Lula em tentar atrair o centro. Para isto, não basta colocar Geraldo Alckmin como candidato a vice. Seria necessário um movimento programático, substantivo e não cosmético, em favor de uma nova agenda de desenvolvimento nacional. Isto o documento não oferece, mais revive o passado do que projeta o futuro.

A minha opinião é clara. Mais do que um direito, é um dever do centro democrático lançar uma ou duas candidaturas que encarnem um olhar diferente dos dois candidatos que polarizam a eleição – até mesmo para dialogar e interagir com as candidaturas Lula e Bolsonaro, realçando convergências e divergências à luz do dia, sob o controle social da população.

O documento, além das obviedades de sempre, demonstra a dificuldade do PT e seus aliados de esquerda de avançar para uma visão mais contemporânea do cenário presente no século XXI.

Há resquícios de um nacional-desenvolvimentismo anacrônico presente na contraposição entre mercado interno e comércio exterior e uma clara incompreensão sobre a necessidade do Brasil de se conectar às grandes cadeias produtivas globais. A denúncia de um certo “neoliberalismo” não dá lugar a uma visão clara sobre o papel do Estado nas sociedades atuais.

A proposta de revogação da reforma trabalhista, que tantos avanços trouxe, e do teto de gastos revela a permanência de uma visão econômica regressiva e alimenta as desconfianças sobre a reedição da “Nova Matriz Econômica” do governo Dilma, que nos levou à maior recessão de nossa história.

Na política cambial, o texto é ambíguo e dá margem à interpretação de um intervencionismo indesejável. Nas reformas política, da Previdência e tributária, nada fica claro. O apego ao passado vem à tona ao se advogar a retomada de programas como o Mais Médicos e Minha Casa, Minha Vida, desconsiderando que a realidade exige novas respostas.

Em relação às privatizações, permanecem os velhos preconceitos antimercado e a imagem do Estado plenipotenciário e onipresente. Na política externa “ativa e altiva” fica ainda nas entrelinhas o cheiro de um falso protagonismo terceiro-mundista com pitadas de bolivarianismo.

Quanto à liberdade de imprensa, há uma “vírgula” que incomoda. E o ponto que mais chama a atenção é a absoluta falta de qualquer autocrítica em relação aos casos de corrupção ocorridos e aos efeitos desastrosos da política econômica de Dilma.

Quiçá possamos avançar o debate nacional. Afinal, o importante é legitimar ideias para o futuro, e não destruir pessoas.

Marcus Pestana é economista e ex-deuputado federal

---

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo mineiro, profissional e de qualidade. Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar.

Siga O TEMPO no Facebook, no Twitter e no Instagram. Ajude a aumentar a nossa comunidade.