Mateus Simões

Um vereador cassado em Belo Horizonte; e agora, o que falta?

Legislativo tem mais um caso de afastamento para avaliar

Seg, 05/08/19 - 03h00

Há 90 dias fui sorteado para compor a comissão destinada a investigar o vereador Cláudio Duarte e fui eleito pelos membros do colegiado para ser o relator. Contra ele, foram feitas acusações sérias de que recolhia dinheiro de assessores na chamada “rachadinha”. A denúncia também apontava que o fato de o vereador ter sido preso, por si só, seria já motivo de cassação por quebra de decoro parlamentar.

Pouco tempo depois, vendo que o vereador Wellington Magalhães voltaria para a Câmara mesmo estando monitorado por tornozeleira – depois de mais de um ano de afastamento, por ordem judicial –, acabei me vendo forçado a apresentar um pedido de cassação contra ele. Já havia tentado lutar contra o fato de que ele continuou a receber dos cofres públicos por mais de um ano, sem trabalhar, porque estava em prisão domiciliar e afastado do cargo. Não poderia agora aceitar trabalhar com uma pessoa dessas, votando os temas de interesse da cidade. Fiz a denúncia e, com isso, tornei-me relator de um processo de cassação e denunciante em outro.

Nesse meio-tempo, o plenário salvou outro vereador, Flávio dos Santos, impedindo a abertura de um processo pela prática do mesmo ilícito apontado contra Duarte: “rachadinha”. Se eu continuo me recusando a achar que é aceitável, tenho de reconhecer que, aparentemente, a prática é mais comum do que eu poderia imaginar.

Meu relatório concluiu que o vereador Cláudio Duarte deveria ser cassado, por haver provas definitivas dos ilícitos. Tecnicamente construído, o relatório foi aprovado por unanimidade na Comissão Processante.

Na quinta-feira passada, em meio a um sistema pesado de segurança, que contou até com policiais com metralhadoras guardando a entrada da Câmara, meu relatório foi lido e aprovado em plenário, também de forma unânime, levando à cassação de Duarte, o primeiro vereador a perder mandato por processo ético na história de Belo Horizonte.

A sessão de cassação foi dramática, contando com a narrativa de ameaças contra dois vereadores. A presidente Nely Aquino recebeu vídeos de conteúdo ameaçador contra seu filho, de apenas 6 anos. Já o vereador Jair Di Gregório recebeu áudios de uma pessoa dizendo que o iriam “explodir” se votasse pela cassação.

Qual seria o interesse de Cláudio Duarte ou de seus apoiadores em ameaçar a presidente Nely Aquino, que nem sequer tinha direito de voto na sessão de cassação? Qual o sentido do discurso de Magalhães contra mim, em meio à sessão de cassação de outro vereador, para depois ele próprio votar favoravelmente a meu relatório?

Se por um lado não parece existir lógica nisso, por outro é evidente que forças tenebrosas se levantam para tentar proteger o outro acusado, Wellington Magalhães. Para que o processo contra ele possa se iniciar, é necessário que a presidente leia a denúncia que eu fiz em plenário…

Na Câmara, já me perguntaram inúmeras vezes por que eu me meti nessa “cruzada” contra Wellington Magalhães, considerando todos os riscos envolvidos em combater um vereador conhecido por atropelar e perseguir seus adversários. A explicação que repito parece não fazer sentido para o mundo político tradicional: não aceito como normal um vereador ameaçar pessoas, praticar tráfico de influência, usar o patrimônio público para fins pessoais ou frequentar a Câmara Municipal preso a uma tornozeleira eletrônica. Pode ser até comum, pelo fato de a política no país ter se deteriorado. Mas nem por isso é aceitável.

(7) comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Elios Dunkan 4:44 PM Aug 06, 2019
Mais uma vez venho a esse folhetim para tornar publica a minha admiração pelo Sr. Mateus Simões.... Parabéns sr vereador, precisamos de arrumar uma forma de clonar v.sa. pelos menos umas 30 vezes.... o seu nome será lembrado, senão nessa casa corrupta, com certeza nos livros de história séria deste país e dessa cidadezinha medíocre chamada Belo Horizonte.
0
Denunciar

CARLOS ROBERTO DE SOUZA MARQUES 2:31 PM Aug 05, 2019
É necessário acabar com a farra de cargos de confiança na CMBH. Há um excesso de servidores do poder publico municipal que não acrescentam em nada ao trabalho dos parlamentares. Apenas para encher os bolsos dos Vereadores. Quando lá entrei em 1977 casa gabinete não tinha mais que 3 servidores e o serviço andava nos trilhos. De lá pra cá aumentaram o numero dos edis mas o trabalho continua o mesmo, aliás, parece até que diminuiu pois Vereador, após a Constituição não pode fazer nada. Aldair Pinto dizia que o "vereador só pode fazer indicação e rezar pra ser atendido pelo prefeito". Dizia que a Prefeitura só administra o lixo pois o resto é todo dependente dos governos estadual e federal. O velho Olavo Leite Kafunga Bastos deve estar revirando na catacumba, o Dr. Helvécio Arantes morreria de vergonha de estar ao lado desses indivíduos que se dizem representantes do povo de Belo Horizonte. O Dr. Obregon Gonçalves nem deve passar na porta da Câmara Municipal pra não ser confundido. Thomaz Edison, que falta faz naquela casa (com minúsculo mesmo).
0
Denunciar

FLORIANO DE SOUZA 1:23 PM Aug 05, 2019
O CLAUDIO FOI CAÇADO EXATAMENTE PORQUE É VEREADOR DE PRIMEIRA VIAGEM E NÃO TEM AMIGOS. MAS, A CAMARA COMETEU UM GRAVE ERRO AO DEIXAR PASSAR O FLAVIO DOS SANTOS. NO CASO DO WELLINGTON M. É UM VERDADEIRO DEBOCHE AOS BELO HORIZONTINOS E UMA VERGONHA PARA ESSA CASA DEIXAR ESSE CARA, INCLUSIVE SEM MORAL VOTAR CONTRA OS COLEGAS. ESSE WELLINGTON NÃO REPRESENTA O CIDADÃO DE BEM. DOU TOTAL APOIO A CAÇA DO MESMO. CHEGA DE POLITICO CORRUPTO E LADRAO.
0
Denunciar

Antônio Jair 10:00 AM Aug 05, 2019
"NÃO FUI ELEITO PARA FAZER AMIGOS". (MATEUS SIMÕES). AINDA ESPERO QUE REALMENTE O VEREADOR CUMPRA O QUE ESCREVEU, ESCLARECENDO ADEQUADAMENTE O QUE INCOMPETENTE E DESQUALIFICADO PIMENTEL FEZ COM OS BILHÕES DOS IMPOSTOS. PRINCIPALMENTE O QUE ROMEU ZEMA FARÁ PARA RETIRAR MINAS GERAIS DO FUNDO DO POÇO DE LAMA FÉTIDA PETISTA, ONDE O LAMENTÁVEL EX-DESGOVERNADOR NOS DEIXOU. NÃO PRECISA FICAR AO LADO D VEREADORES PETRALHAS DA CÂMARA/ BH, PORQUE "DIGA-ME COM QUEM ANDAS, E TE DIREI QUEM TU ÉS." ENTENDIDO?
1
Denunciar

Antônio Jair 10:00 AM Aug 05, 2019
Com máquina pública/dados em mãos, por que S/ AMIGO ZEMA ñ divulga minuciosamente o q TRÁGICO Pimentel fez c/ bilhões de reais MENSAIS d povo, já q ñ repassou às Prefeituras MILHÕES D REAIS a q tinham/têm direito (crime d apropriação indébita, passível d impeachment na época, abafado por deputados cordeirinhos), bem como tb ñ pagou 13º a servidores d Executivo (só d Executivo? Por quê?). POVO QUE EXPULSOU CORJA DO GOVERNO MERECE ESCLARECIMENTOS.24ª VEZ QUE PEÇO SUA EXPLANAÇÃO, E ATÉ AGORA NADA.
2
Denunciar

Danilo 9:50 AM Aug 05, 2019
O que falta é saber se não há mais vereadores praticando a mesma pratica de "rachadinha".
0
Denunciar

antonio sabata 8:36 AM Aug 05, 2019
o que falta agora é extinguir este cargo que só dá prejuizo para o cidadão.
1
Denunciar

Leia mais
LEIA MAIS
Mateus Simões
Mateus Simões
Mateus Simões
Propostas para administração dos recursos dos cidadãos
Comissionados em estatais e autarquias chegam a duplicar