Política em Análise

Kalil suplanta polarização e larga com folga

Prefeito precisaria perder um terço dos votos em 40 dias para não ser eleito no primeiro turno

Seg, 05/10/20 - 11h21
Na coluna Política em Análise, o editor de O TEMPO, Ricardo Corrêa, analisa os dados da pesquisa DataTempo/Quaest, que aponta o prefeito Alexandre Kalil com 53% das intenções de voto, bem à frente dos outros 14 candidatos na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte.
audima

A análise da primeira pesquisa DataTempo/Quaest para a Prefeitura de Belo Horizonte mostra que o prefeito Alexandre Kalil conseguiu suplantar a polarização hoje existente no Brasil e larga com uma folga que dificilmente será tirada pelos seus adversários. A vantagem é tanta que, para não ser eleito no primeiro turno, o prefeito teria que perder cerca de um terço de seus apoiadores em 40 dias. Isso, tendo aprovação recorde, o que torna a tarefa dos rivais ainda mais complicada.

Quanto à vantagem, embora os números mostrem 53% de intenções de voto, quando olhamos só as posições que citam os candidatos, ou seja, fazendo uma projeção dos votos válidos, Kalil tem mais de 73% de apoio. E por isso digo que precisaria perder um terço desses votos para que a eleição não termine já no dia 15 de novembro.

Claro que não é impossível que uma reviravolta como essa aconteça, até pelo fato de que os candidatos ainda vão se tornar conhecidos. Porém, quando vemos que o bom resultado da pesquisa vem principalmente da aprovação que a administração atual acumulou, fica mais difícil crer que haverá essa virada em prol dos outros candidatos. Com 75% de aprovação e 63% de avaliação positiva, Kalil tem uma situação confortável, ainda que seus adversários cresçam um pouco com o início da propaganda eleitoral.

Pesa a favor de Kalil os bons resultados junto ao eleitorado feminino, onde atinge 56% das intenções de voto, e entre os mais velhos (60 anos ou mais). São 59% os que apontam voto no prefeito dentro dessa fatia do eleitorado, o que pode indicar um reflexo das decisões no combate à pandemia. Nesse contingente estão os eleitores em grupo de risco e que tendem a aprovar mais o isolamento proposto pela Prefeitura de BH.

Também chama a atenção o fato de Kalil estar muito forte na esquerda hoje. Ele registra 61% das intenções, contra 8% de Áurea  Carolina (PSOL) e 3% de Nilmário Miranda (PT). Se esses dois crescerem muito, podem tirar uma fatia do apoio do prefeito, mas que ainda assim é forte na direita (48%) e no centro (49%). Além do mais, caso o candidato de um dos polos cresça, a tendência é haver um voto útil do outro polo em Kalil.

A rejeição do prefeito, apesar de todo o desgaste de ocupar a prefeitura e de ser a maior entre os candidatos, também é baixa (16%), o que ajuda a limitar eventual perda de apoio. Mas onde estão os eleitores que mais rejeitam Kalil? A resposta é: entre os bolsonaristas e entre os que possuem renda de mais de 10 salários mínimos. Mas mesmo nesses dois grupos a rejeição só chega a 25%. Pouco para causar estragos.

A situação confortável de Kalil contrasta com o cenário conflagrado e polarizado da maior parte das capitais do Brasil, o que indica que a construção da imagem do prefeito ao longo desses quatro anos foi bem feita. Os adversários têm 40 dias para colocá-la em xeque. A tarefa é inglória.

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Assinante Premium
renato 2:06 PM Oct 05, 2020
Ricardo, anote aí. Foi dada a largada. A corrida já teve início, KALIL é o pole-position, não vai precisar fazer o PIT STOP e ganhará em 1º turno.
0
Denunciar

LEIA MAIS
Política em Análise
Política em Análise
Política em Análise
Política em Análise
Política em Análise
Política em Análise
Análise
Política em Análise
Política em Análise
Política em Análise