Esportivamente

Caratê, que estará na Olimpíada de Tóquio, é tema do podcast Esportivamente

Conversamos com o ex-atleta da seleção Nelson Sardenberg sobre a 'arte das mãos vazias', criada no Japão depois da proibição do porte de armas no século XVII

Daniel Ottoni | @dottoni
11/11/19 - 12h00
audima

O novo episódio do Esportivamente chega para falar do caratê, a arte das 'mãos vazias', que foi criada no Japão depois da proibição do porte de armas no século XVII. A ideia era realizar treinos secretos que utilizavam golpes corporais como forma de defesa, em um roteiro de clandestinidade como a capoeira passou no Brasil.

Conversamos com Nelson Sardenberg, ex-atleta da seleção e hoje treinador em Belo Horizonte. Flávio Marcílio, cabo da Polícia Militar de Minas Gerais, teve no caratê um instrumento de transformação dentro de formação humilde. As subidas, a pé, pela avenida Afonso Pena, certamente valeram a pena para ele. Presente na próxima edição da Olimpíada pela primeira vez, o caratê faz bem para o corpo, a alma e o coração, tendo milhares de praticantes dentro e fora do Brasil. Ouça!

Carregando...

Leia também: