Proposta

Angra dos Reis rejeita ideia de criar uma 'Cancún brasileira'

Cidade mexicana é famosa pelos resorts 'all inclusive' que dominam uma longa faixa de areia com águas claras

Ter, 06/08/19 - 15h10

As próprias características físicas de Angra e Cancún dificultam a comparação. A cidade mexicana é famosa pela vida noturna e pelos resorts 'all inclusive' que dominam uma longa faixa de areia com águas claras. Já Angra tem uma parcela de terra estreita e já densamente ocupada. 

"As centenas de barcos ancorados e os ônibus de turistas que chegam às margens do centro de Angra dos Reis todos os dias quase fazem esquecer que, a alguns quilômetros dali, ainda existem 29 pequenas ilhas paradisíacas praticamente intocadas.

Trata-se da estação ecológica de Tamoios (Esec), área federal de proteção ambiental criada em 1990, no litoral sul do RJ, e agora objeto de desejo do presidente Jair Bolsonaro, que defende o fim das restrições para estimular o turismo e criar o que tem chamado de "Cancún brasileira".

A ideia de extinguir a Esec, no entanto, é rejeitada por diversos setores da região com quem a Folha conversou. Empresários do setor, pescadores, ambientalistas, a prefeitura de Angra, o Ministério Público Federal e até o governador fluminense Wilson Witzel (PSC) reconhecem que a natureza e o turismo sustentável são justamente os maiores atrativos do lugar e poderiam ser prejudicados sem a área de proteção.

A estação ecológica também é considerada essencial para que o país cumpra o compromisso internacional de preservação que firmou recentemente, quando Paraty e a Baía da Ilha Grande receberam o título de patrimônio natural e cultural da humanidade pela Unesco.

Por outro lado, parte dos empresários, pescadores e a Prefeitura reclamam da rigidez do decreto que criou a Esec e defendem que as regras sejam flexibilizadas. Eles também veem com bons olhos os holofotes que o presidente tem dado ao local, que podem levar a mais investimentos e visitantes.

"Nós queremos abrir aquela região para que a iniciativa privada desenvolva o turismo lá. O que precisaria fazer? A primeira coisa é revogar o decreto que demarcou a estação ecológica. Isso não tem problema nenhum", declarou Bolsonaro em maio, numa das vezes em que trouxe o assunto à tona.

Tempos depois ele corrigiu a informação, admitindo que dependeria do Congresso Nacional para isso, que não tem até aqui um projeto de lei sobre o tema. Ao jornal O Globo na última terça (30), ele disse que investidores de Emirados Árabes, Japão e Israel já teriam demonstrado interesse em colocar bilhões na área, sem especificá-los.

Não é a primeira vez que se discutem propostas parecidas para a região. Dois projetos de lei tentaram liberar a pesca artesanal em 2012, mas foram rejeitados pela comissão de meio ambiente da Câmara três anos depois por contrariarem outra lei de conservação.
Em 2016, o governo de Fernando Pezão (MDB) também chegou a lançar um projeto de parceria público-privada (PPP) prevendo cobrança para entrar na Ilha Grande –o destino mais comum de Angra–, porém ele foi suspenso após ser rechaçado por organizações civis locais.

A ligação de Bolsonaro com a região é antiga. O presidente tem um sobrado na pequena Vila Histórica de Mambucaba, a 50 km do centro de Angra. Da praia, é possível ver duas das ilhas que fazem parte da estação ecológica, uma delas a só 1 km de distância.
É exatamente nesse raio envolta das ilhotas protegidas que a Esec proíbe pesca, visitação, ancoragem de barcos e construções. E foi perto dali que o então deputado federal foi multado pelo Ibama em 2012 por pesca ilegal. Ele diz em um vídeo que desde então não vai mais à casa.

A multa foi anulada dez dias antes de Bolsonaro assumir a presidência –decisão que está sendo investigada pelo Ministério Público Federal– e o fiscal que o autuou, José Augusto Morelli, foi exonerado de um cargo de chefia no Ibama em março deste ano.
Nas falas sobre o tema, porém, o presidente não detalha que a Esec Tamoios abrange apenas 6% da área da Baía da Ilha Grande e 15% das mais de 180 ilhas espalhadas pela região, parte delas já exploradas para atividades de turismo. É basicamente mar, e não terra.

O ex-presidente José Sarney decretou a sua criação por causa da construção das usinas nucleares Angra 1 e 2, seguindo exigências de um outro decreto, de 1980. A água e os ilhotes, cobertos por mata atlântica, são um termômetro da biodiversidade e dos impactos dessa indústria.

O ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), que gere a unidade, também tem atua no licenciamento de empreendimentos, no combate à pesca industrial (de camarão, sardinha e robalo, por exemplo) e no controle de pragas como o coral-sol, que mata espécies nativas.

É pelas próprias características físicas da baía que a comparação com Cancún não faz sentido para quem conhece a região. A cidade mexicana é famosa pela agitada vida noturna e pelos resorts "all inclusive" que dominam uma longa faixa de areia com águas claras.

"São extremamente distintas. Cancún é planície, pega um trecho extenso do mar. Já Angra tem uma parcela de terra estreita e densamente ocupada, não tem como construir prédios ali. As pessoas vão para lá justamente porque não se parece com Cancún", diz Morelli, o fiscal do Ibama que multou Bolsonaro e trabalhou por oito anos no local.

O forte da região de Angra é principalmente o turismo náutico e de veraneio, com casas luxuosas como as de Luciano Huck e Neymar, não raro com problemas de regulamentação ambiental. A cidade não comporta mais do que dois cruzeiros em um mesmo dia, um no continente e um na Ilha Grande.

Angra recebeu 216 mil visitantes em ônibus e vans em 2018 (600 por dia), com média de ocupação nos hotéis e pousadas de 42%. Para se ter uma ideia, Cancún hospedou mais de 6 milhões só entre estrangeiros no ano anterior (16 mil por dia), segundo o Global Destination Cities Index.

"Acho que Bolsonaro cita Cancún como sinônimo de uma cidade que respira turismo. Quando vejo ele falar isso não é construir prédio, é investir em infraestrutura", diz João Willy, presidente da TurisAngra, fundação que faz o papel de secretaria de turismo.

A prefeitura defende a manutenção da área de preservação, mas com mudanças que permitam uma exploração turística responsável, como mergulho. O entendimento é de que a proibição atual pune o bom investimento em prol dos serviços irregulares.

É a mesma posição da associação de empresários locais do setor: "O hotel Vila Galé [um 'ecoresort'], por exemplo, perdeu seu píer porque ele ficava na área da Esec, mas depois que o tiraram encheu de caiaque e lancha informal na praia. Por que esse raio de 1 km exatamente?", questiona Ulisses Covas, presidente da Angra Convention e Visitors Bureau.

A pequena comunidade caiçara de Tarituba, a 64 km do centro de Angra, é outra que critica a fiscalização rigorosa da Esec aos pescadores. Vivendo há cem anos da pesca artesanal, desde 2017 eles são os únicos que têm autorização para a atividade em parte da estação, com algumas restrições, depois de uma década lutando por um acordo.

"É lei, mas quem fez a lei não conhece a realidade. Às vezes o peixe está num outro lugar e temos que ir, nos arriscamos a levar multa. Agora, o barco do empresário pode? É preciso tratar o pescador da mesma forma que todos", diz o pescador aposentado Ismael Bulhões, 73, na beira da praia.

Apesar da reclamação dos caiçaras, os órgãos de fiscalização têm atuado com condições aquém do ideal.

O ICMBio tem duas lanchas e cinco fiscais que fazem em média uma saída por semana, além de operações maiores com outros órgãos como Polícia Federal, Marinha e Ibama. Este último, por sua vez, tem apenas três funcionários e hoje está sem sede, interditada, com risco de desabar.

A reportagem procurou o ICMBio, o Ibama e o Ministério do Meio Ambiente para tirar dúvidas sobre os planos para a região, mas não obteve resposta. Desde o início do governo Bolsonaro, o ministério desautorizou os órgãos ambientais a manter contato direto com a imprensa.

A prefeitura e empresários elencam uma série de investimentos necessários para desenvolver o turismo ali. Entre eles estão a duplicação da rodovia Rio-Santos, ampliação do aeroporto, revitalização do centro, reativação de um trem turístico, contenção de encostas e melhoria no saneamento e abastecimento de água.
Angra passa por um outro problema nos últimos anos: o domínio de facções criminosas nas favelas. Em 2018, a cidade teve um pico de tiroteios, homicídios e mortes pela polícia com a guerra entre dois grupos, chegando a decretar estado de emergência.

A violência não atinge as áreas turísticas diretamente, diz o presidente da TurisAngra, mas acaba afastando o visitante. "A violência da capital do Rio, que é a nossa principal porta de entrada, já nos atrapalha." Neste ano os índices voltaram a cair após uma série de ações do governo estadual e da prefeitura.

Willy diz que o município foi procurado pelo Ministério do Turismo e encaminhou os projetos que acha importantes. Questionada sobre as medidas previstas, porém, a pasta respondeu apenas que "a ideia é fazer do local um dos maiores polos turísticos do Brasil para garantir o crescimento econômico, preservando a fauna e a flora".

O ex-prefeito de Angra Luiz Sérgio Nóbrega, que já foi deputado federal (PT-RJ) e ministro da Pesca (Dilma), resume o imbróglio na região em duas frases: "O reconhecimento da Unesco abre uma janela de oportunidades, mas o lugar só recebeu esse prêmio pela riqueza ambiental e cultural que existe ali. O desenvolvimento turístico precisa conciliar todos esses fatores, com diálogo", diz.

Comentários

Deixe seu comentário
* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso
Leia mais
LEIA MAIS
Tradição
Capítulos do rio Doce
Oferta
Edital
Nova rota
Aérea
Situação de emergência
Viaje por Minas
Em debate
Capítulos do Rio Doce