Crime violento

Aniversário de adolescente nos EUA termina em 5 mortos e vários feridos

O irmão da adolescente que comemorava seu aniversário está entre os mortos

Por Agências
Publicado em 16 de abril de 2023 | 13:18
 
 
 

Pelo menos quatro pessoas morreram, e várias outras ficaram feridas em um tiroteio em uma pequena cidade no estado do Alabama, sul dos Estados Unidos – anunciou a polícia neste domingo (16), enquanto a imprensa local informou que as vítimas estavam em uma festa de aniversário. 

Segundo veículos de comunicação e testemunhas, o incidente ocorreu na noite de sábado (15) durante uma festa de aniversário de "Sweet 16" – evento similar à tradicional celebração dos 15 anos nos países latino-americanos – em Dadeville, a nordeste da capital do estado, Montgomery. 

"Até o momento, houve quatro mortes confirmadas e vários feridos", disseram as autoridades estaduais de segurança em um comunicado, sem especificar se algum suspeito foi detido, ou identificado. 

Mais cedo, a televisão local noticiou que havia pelo menos 20 pessoas feridas.

Hoje pela manhã, a rede de televisão WRBL transmitiu a intensa atividade policial, com fitas de isolamento da cena do crime em torno de um prédio em Dadeville, além de lençóis brancos cobrindo o chão.

Segundo a imprensa local e testemunhas, várias pessoas foram baleadas, a maioria adolescentes. As vítimas foram levadas para hospitais próximos.

Segundo especialistas da polícia local em investigação preliminar, uma briga provocou a troca de tiros na festa de aniversário "Sweet 16" de uma adolescente, por volta das 22h30 de sábado (00h30 de domingo no horário de Brasília), acrescentou a emissora WRBL. 

O irmão da adolescente que comemorava seu aniversário está entre os mortos, disse sua avó ao jornal local Montgomery Advertiser. 

“Crimes violentos não têm lugar em nosso estado”, tuitou a governadora do Alabama, Kay Ivey, expressando sua “dor”.

Outros tiroteios

Também na noite de ontem, as autoridades confirmaram que duas pessoas foram mortas, e outras quatro ficaram feridas, em um tiroteio em Louisville, no estado do Kentucky, centro-oeste dos EUA. Nesta mesma cidade, um homem armado matou quatro pessoas, e pelo menos oito ficaram feridas, em uma agência bancária na segunda-feira passada (10).

Os Estados Unidos pagam um preço alto pela disseminação de armas de fogo em seu território e pela facilidade com que os americanos têm acesso a elas. Com cerca de 330 milhões de habitantes, os EUA são um país repleto de armas, e tiroteios em massa com vítimas fatais são comuns. 

O país tem mais armas individuais do que habitantes: um em cada três adultos possui pelo menos uma arma nos Estados Unidos, e quase um em cada dois vive em uma casa onde tem uma arma. Estima-se que existam, hoje, em circulação, cerca de 400 milhões de diferentes tipos armas.

Como consequência dessa proliferação, registra-se um índice altíssimo de mortes por armas de fogo no país, incomparável com o de outras nações desenvolvidas.

Cerca de 49.000 pessoas morreram por ferimentos a bala em 2021, contra 45.000 em 2020 — que já era um ano recorde. Isso representa mais de 130 mortes por dia. Deste total, mais da metade são casos de suicídio. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!