nos eua

Atirador mata cinco pessoas na Carolina do Norte antes de ser detido

Autor, que não teve a identidade e as motivações determinadas até o momento, também feriu outras vítimas, incluindo um policial que está fora de perigo

Por Agência
Publicado em 14 de outubro de 2022 | 09:29
 
 
 

Um homem armado matou cinco pessoas na quinta-feira (13), incluindo um policial de folga, em Raleigh, capital do estado americano da Carolina do Norte, antes de ser detido, anunciaram as autoridades locais. O atirador, que não teve a identidade e as motivações determinadas até o momento, também feriu várias pessoas, incluindo um policial que está fora de perigo, informou a prefeita da cidade, Mary-Ann Baldwin, que lamentou um "dia triste e trágico".

Os primeiros tiros foram registrados pouco depois das 17h (18h de Brasília) em uma área para pedestres da cidade de quase 500.000 habitantes. A polícia mobilizou um grande contingente para encontrar o criminoso. Em uma entrevista coletiva, Baldwin anunciou que "por volta das 20h, a polícia de Raleigh informou que cercou o suspeito em uma residência"". 

Pouco depois, a polícia da cidade tuitou que o suspeito havia sido detido. "É um homem jovem branco", declarou o tenente Jason Borneo. "Esta noite o terror chegou à nossa porta"", afirmou o governador do estado, Ray Cooper.

"O pesadelo de qualquer comunidade chegou a Raleigh. Este é um ato de violência sem sentido, horrível", afirmou o governador do Partido Democrata. "Temos que fazer mais", afirmou a prefeita de Raleigh, em referência aos tiroteios registrados com frequência nos Estados Unidos, onde a presença de armas de fogo e a facilidade de acesso são temas de debate nacional.

"Devemos parar com esta violência sem sentido nos Estados Unidos. Devemos responder à violência armada. Temos muito a fazer e esta noite temos muito a lamentar", disse. Quase 49.000 pessoas foram mortas por armas de fogo em 2021 no país, contra 45.000 em 2020, o que já era um recorde. O número equivale a mais de 130 óbitos por dia, metade por suicídio.

Mas são os tiroteios com muitas vítimas que provocam grande comoção e ao mesmo tempo ilustram a divergência ideológica entre conservadores e progressistas sobre como evitar esse tipo de tragédia. A história recente do país está marcada por massacres periódicos que estimulam a ideia de que nenhum lugar é seguro.

O massacre executado em uma escola do Ensino Médio de Parkland, Flórida, em 14 de fevereiro de 2018 desencadeou um amplo movimento nacional, com os jovens à frente, para exigir uma supervisão mais rigorosa da venda de armas nos Estados Unidos. 

O Congresso dos Estados Unidos, no entanto, não avançou em uma legislação ambiciosa. Muitos congressistas estão sob a influência da influente Associação Nacional do Rifle (NRA), o principal lobby de armas do país. Os únicos avanços legislativos recentes foram moderados, com a verificação de antecedentes criminais e psiquiátricos à frente da compra de armas. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!