Armas

Biden diz que maioria nos EUA é contra a posse de fuzis de assalto

Declaração do presidente americano ocorre um dia após o massacre em escola de Nashville

Por Agências
Publicado em 28 de março de 2023 | 19:37
 
 
 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse, nesta terça-feira (28), que a maioria dos americanos é contra a posse dos fuzis militares dos tipos usados regularmente em massacres como o ocorrido ontem em uma escola de Nashville.

"A maioria dos americanos acha bizarro ter armas de assalto, é uma ideia louca. Eles são contra isso", declarou a jornalistas na Casa Branca quando perguntado sobre a nova tragédia que deixou o país em luto.

 

O agressor invadiu a escola cristã de ensino fundamental The Covenant School, em Nashville, Tennessee, com dois fuzis de assalto e matou três crianças e três funcionários antes de ser abatido pela polícia.

Biden continuou com suas críticas à posse de armas de assalto lamentando as mortes "dilacerantes", segundo suas declarações na Carolina do Norte, onde visitava uma fábrica de semicondutores.

"Não há nada como perder um filho", enfatizou Biden, que perdeu uma filha ainda bebê em um acidente de carro em 1972 e seu filho adulto Beau por câncer em 2015.

Em comentários anteriores, Biden expressou sua exasperação pelo fato de o Congresso não acabar com a autorização de posse legal de fuzis semiautomáticos.

"Eu usei todo o alcance da minha autoridade executiva para, por conta própria, fazer tudo relacionado às armas. Agora o Congresso tem que agir", disse aos jornalistas.

O presidente democrata tem pedido há muito tempo que o Congresso proíba, ou pelo menos restrinja, a posse dessas armas de fogo destinadas a causar o máximo de vítimas, mas os republicanos, que agora são maioria na Câmara dos Representantes, se opõem.

(AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!