Economia mundial

Comércio global de bens deve crescer 1,7% neste ano, diz OMC

Estimativa de crescimento do comércio global e do PIB mundial em 2023 está ser abaixo da média dos últimos 13 anos

Por Agência
Publicado em 05 de abril de 2023 | 20:50
 
 
 

O crescimento do comércio global e do PIB mundial em 2023 deverá ser abaixo da média dos últimos 13 anos, alertou a Organização Mundial do Comércio (OMC) nesta quarta (5), em Genebra, na Suíça. A previsão para este ano é de crescimento de apenas 1,7% do volume de comércio de bens entre países, que não inclui serviços. O mesmo estudo estima que o PIB global aumentará 2,4% neste ano.

Mesmo assim, a previsão é maior do que a estimativa feita em outubro, quando o número era de apenas 1% para 2023. Os economistas da OMC atribuíram essa melhoria ao relaxamento, após três anos, das medidas de Covid-19 na China, o que está impactando o comércio não apenas no país, mas globalmente.

As novas marcas, no entanto, ficam abaixo da média desde 2010. Segundo esses cálculos, o crescimento do comércio tem sido de 2,6% ao ano, e do PIB, de 2,7%.

Efeitos da guerra na Ucrânia, inflação persistentemente alta, política monetária mais restritiva e incerteza do mercado financeiro são algumas, mas não as únicas, razões da previsão pessimista para 2023.

"Os efeitos prolongados do Covid-19 e as crescentes tensões geopolíticas foram os principais fatores que impactaram o comércio e a produção em 2022 e provavelmente será o caso em 2023 também", afirmou o economista-chefe da OMC, Ralph Ossa.

"O aumento das taxas de juros nas economias avançadas também revelaram fraqueza nos sistemas bancários, que pode levar a uma instabilidade financeira mais ampla se não for controlada. Governos e reguladores precisam estar alertas para esses e outros riscos financeiros nos próximos meses", disse Ossa.

Para o diretor-geral da OMC, Ngozi Okonjo-Iweala, "o comércio continua a ser uma força de resiliência na economia global, mas permanecerá sob pressão de fatores externos em 2023. Isso torna ainda mais importante para os governos evitar a fragmentação do comércio e abster-se de introduzir obstáculos ao comércio".

"Investir na cooperação multilateral no comércio, como os membros da OMC fizeram em nossa 12º Conferência Ministerial, em junho passado, reforçaria o crescimento econômico e os padrões de vida das pessoas no longo prazo", completou o diretor-geral.

As novas marcas deixam a economia mundial em situação pior do que no ano passado, quando o comércio cresceu 2,7%. Por outro lado, as previsões da OMC para 2022 não se concretizaram. A agência esperava um crescimento de 3,5%, mas "um declínio mais acentuado do que o esperado no quarto trimestre atrapalhou o crescimento do ano".

Nada que se compare a 2021, em que, após um ano de retração pandêmica em 2020, o comércio deu um salto de incríveis 9,4%. E, para 2024, a OMC parece estar otimista: prevê um crescimento de 3,2% no comércio e de 2,6% no PIB. (IVAN FINOTTI/FOLHAPRESS)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!