Concorrência

"Constrangedor": funcionários do Google criticam Bard, rival do ChatGPT

Em mensagens internas, empregados dizem que ferramenta é inútil e perigosa

Por Agências
Publicado em 21 de abril de 2023 | 12:20
 
 
 
normal

"Mentiroso patológico" e "constrangedor" foram alguns dos adjetivos que funcionários do Google encontraram para descrever o chatbot Bard pouco antes de seu lançamento, em março.

As críticas, contudo, não mudaram a estratégia da empresa para tentar emplacar sua própria inteligência artificial generativa. A corrida para integrar o Bard aos seus produtos se acirrou desde que a OpenAI lançou o ChatGPT em novembro, quatro meses antes.

Segundo a Bloomberg, que teve acesso a mensagens internas da empresa, a pressa por vencer essa disputa faz o Google fornecer informações de baixa qualidade e deixar de lado seus compromissos éticos.

Um dos 18 funcionários entrevistados pela agência de notícias disse que, para explicar como pousar um avião, o Bard dava sugestões que levariam a um acidente.

Segundo empregados e ex-empregados, o grupo que trabalha com ética dentro da empresa está desmoralizado.

Responsáveis por questões éticas e segurança dos produtos foram instruídos a não atrapalhar nem tentar cancelar ferramentas de IA generativas em desenvolvimento.

A equipe que trabalha com desenvolvimento de IA responsável demitiu ao menos três membros na rodada de demissões na empresa em janeiro, incluindo o chefe de governança e programas.

Ao todo, os cortes afetaram cerca de 12 mil funcionários do Google e de sua controladora, a Alphabet.

Em comunicado à Bloomberg, o Google disse que desenvolver uma IA responsável continua sendo uma prioridade na empresa.

"Continuamos a investir nas equipes que trabalham para aplicar nossos Princípios de IA à nossa tecnologia", disse um porta-voz.

O Google declarou um "alerta vermelho" em resposta ao lançamento do ChatGPT para colocar produtos de inteligência artificial em operação - sua prioridade central no momento, segundo o jornal The New York Times.

O objetivo da empresa é fazer com que a sua IA generativa se integre a outros produtos e revitalize seu mecanismo de busca, posto em xeque com o lançamento do chatbot da OpenAI e, em seguida, do novo Bing, da Microsoft.

(Folhapress)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!