Inusitado

Diretor casado faz sexo por 4 horas com colega enquanto escola era 'atacada'

O profissional foi autorizado a continuar ensinando no local depois que um grupo de investigação decidiu que ele não representava uma ameaça para os alunos

Por O Tempo
Publicado em 07 de julho de 2023 | 18:42
 
 
 

O diretor da Northern House School Academy Trust, um homem casado com uma mulher, passou quase quatro horas fazendo sexo com um colega em seu escritório enquanto o caos reinava em sua escola, na cidade de Wolverhampton, na Inglaterra.

Quatro brigas aconteceram e três professores foram agredidos enquanto o Diretor Executivo Adam Price e um colega professor, identificado apenas como "Pessoa B", tiraram a roupa para "se engajar em atividades sexuais".

O incidente ocorreu em 27 de janeiro de 2020, mas só agora houve uma grande indignação quando a Agência de Regulação do Ensino permitiu que o diretor, de 40 anos, continuasse em sua profissão apesar da mancha em seu histórico.

Ao não proibi-lo de ensinar novamente, Duncan Tilley, que presidiu a audiência, disse: "O grupo de investigação observou a percepção do Sr. Price sobre sua conduta imprópria e suas consequências. Ele expressou remorso que parecia genuíno".

"O impacto devastador que sua conduta teve sobre ele e sua família levou o grupo a concluir que o risco de repetição era baixo. Considerou-se que seria proporcional concluir este caso sem recomendação de proibição, considerando se a publicação das conclusões feitas pelo painel seria suficiente", finalizou a Agência de Regulação.

Na audiência foi informada de que no dia do incidente três membros da equipe da escola estavam ausentes e que "Pessoa B" havia cancelado o treinamento externo de um membro da equipe para preencher as lacunas.

Foi nesse momento que a "Pessoa B" se juntou ao diretor em seu escritório por três horas e 50 minutos, durante o qual colegas de equipe foram agredidos e quatro brigas entre alunos ocorreram.

O caso secreto veio à tona um mês depois, depois que cartas anônimas foram enviadas à escola, levando o diretor a renunciar de forma imediata.

Uma revisão das imagens do circuito interno foi feita e revelou que o diretor e a "Pessoa B" estavam envolvidos em atividades sexuais no escritório naquele dia.

Assim, recomendou-se não proibir o diretor de trabalhar, já que Price tinha um histórico anterior bom e fez uma contribuição valiosa para a profissão, trabalhando com alunos desafiadores, além de se concluir que o risco para os alunos decorrente de sua conduta não era significativo.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!