cerimônia em Estocolmo

Dois americanos e um dinamarquês vencem o Prêmio Nobel de Química

Trio foi reconhecido pelo desenvolvimento da química 'click' e da química bio-ortogonal, anunciou o júri em sua decisão

Por Agência
Publicado em 05 de outubro de 2022 | 08:02
 
 
 

O Prêmio Nobel de Química de 2022 foi atribuído nesta quarta-feira (5) ao dinamarquês Morten Meldal e aos americanos Barry Sharpless e Carolyn Bertozzi, que estabeleceram as bases para uma forma mais funcional da disciplina científica. O trio foi reconhecido pelo "desenvolvimento da química 'click' e da química bio-ortogonal", anunciou o júri em sua decisão.

Sharpless, de 81 anos, venceu o Nobel de Química pela segunda vez. Apenas outras quatro pessoas receberam duas vezes o Nobel, incluindo a francesa de origem polonesa Marie Curie. Sharpless, que mora a trabalha na Califórnia, e Meldal, de 58 anos e da Universidade de Copenhague, foram reconhecidos por seus trabalhos pioneiros com a química 'click', uma nova forma de combinação de moléculas.

A química 'click' "é uma reação química elegante e eficiente que atualmente é amplamente utilizada", destacou o júri. "Entre muitos usos é empregada no desenvolvimento de produtos farmacêuticos, mapeamento de DNA e criação de novos materiais.

A americana Bertozzi, de 55 anos, foi premiada pelo desenvolvimento da química bio-ortogonal, uma reação química que é descrita como capaz de iniciar-se em um organismo vivo, mas sem perturbar ou modificar sua natureza química. As descobertas do trio abriram o caminho para melhorar a eficácia dos tratamentos contra o câncer.

O trio dividirá a quantia de 10 milhões de coroas suecas (pouco mais de 900.000 dólares) e receberá o prêmio das mãos do rei Carl XVI Gustaf em uma cerimônia em Estocolmo em 10 de dezembro, aniversário da morte em 1896 do cientista Alfred Nobel, que criou a premiação em seu testamento.

A Academia Sueca concedeu o Nobel de Química no ano passado ao alemão Benjamin List e ao americano David MacMillan pelo pelo desenvolvimento da "organocatálise assimétrica", uma nova ferramenta de construção de moléculas que tornou a Química mais "verde" e melhorou a pesquisa farmacêutica. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!