Potencial para pandemia

Entenda o que é o vírus Marburg, que assola a Guiné e coloca a OMS sob alerta

Vírus, que já matou nove pessoas no país da África Central, também foi detectado em Gana; saiba mais sobre sintomas, transmissão e riscos

Por O Tempo
Publicado em 15 de fevereiro de 2023 | 11:11
 
 
 

A Marburg, vírus infeccioso com taxa de letalidade de até 88% é a nova preocupação da Organização Mundial de Saúde (OMS), que monitora seu potencial para se tornar uma pandemia mundial. A doença chegou à Guiné Equatorial, onde nove pessoas infectadas morreram. O país da África Central declarou estado de emergência. Segundo George Ameh, representante da OMS em Guiné, equipes de Covid-19 foram deslocadas para rastrear os contatos de Marburg. Ao menos 200 pessoas foram colocadas em quarentena na localidade onde foi detectada a doença pela primeira vez. A vigilância aumentou e, desde o início das ações, não foi relatado nenhum caso suspeito nas últimas 48 horas. OMS monitora o vírus por ter potencial para se tornar pandemia

A Guiné Equatorial não é o primeiro país que sofre com o vírus. Em julho do ano passado (2022), Gana, país da África Ocidental, confirmou dois casos de pessoas infectadas pelo vírus Marburg, uma febre hemorrágica quase tão letal quanto o ebola. Entenda o vírus Marburg: 

O que é a doença e como é transmitida?

A doença do vírus de Marburg é transmitida aos seres humanos por morcegos frugívoros e se propaga pelo contágio direto com fluidos corporais de pessoas infectadas, superfícies e materiais, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Quais são os sintomas?

A doença começa de maneira abrupta, e os sintomas incluem febre alta, dor de cabeça intensa, diarreia, vômitos, dor abdominal e mal-estar. O período de incubação varia entre dois e 21 dias, e, por volta do quinto dia, pode ocorrer erupções na pele, especialmente no peito e próximo do estômago.

Qual é o tratamento?

Ainda não existe vacina contra a doença, e o tratamento é direcionado aos sintomas, para que sejam diminuídos os riscos de morte. Algumas terapias estão sendo avaliadas para funcionar como tratamento contra a doença.

Como evitar o contágio

Como prevenção da doença, recomenda-se evitar áreas com morcegos que se alimentam de frutos, além do contato com primatas doentes. Quando detectada a doença, o paciente deve ficar isolado e usar máscaras de proteção. 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!