Guerra

EUA anunciam nova assistência militar para Ucrânia de US$ 400 milhões

O pacote compreende quatro sistemas de defesa aérea Avenger de curto alcance e alta mobilidade

Por Agências
Publicado em 10 de novembro de 2022 | 20:09
 
 
 

Os Estados Unidos proporcionarão sistemas de defesa aérea e mísseis terra-ar para a Ucrânia como parte de um novo pacote de assistência de segurança avaliado em 400 milhões de dólares, anunciou o Pentágono nesta quinta-feira (10).

Com "os implacáveis e brutais ataques aéreos da Rússia contra a infraestrutura crítica e civil da Ucrânia, as capacidades adicionais de defesa aérea são fundamentais", disse aos jornalistas a secretaria de imprensa adjunta do Pentágono, Sabrina Singh. 

O pacote compreende quatro sistemas de defesa aérea Avenger de curto alcance e alta mobilidade, que serão fornecidos à Ucrânia pela primeira vez, assim como mísseis Stinger. 

Também inclui mísseis para os sistemas de defesa aérea HAWK que a Espanha se comprometeu a fornecer, projéteis de artilharia e morteiros, munição para os lança-foguetes de precisão Himars e mais de 20 milhões de cartuchos de munição para armas pequenas. 

Os mísseis HAWK serão fornecidos com recursos da Iniciativa de Assistência de Segurança da Ucrânia, que financia a aquisição de equipamentos da indústria de defesa. Outros elementos do pacote terão como origem os inventários americanos existentes. 

O pacote eleva para mais de 18,6 bilhões de dólares a assistência militar dos Estados Unidos para a Ucrânia desde o início da invasão das forças russas em fevereiro. 

O anúncio acontece um dia depois que o general americano Mark Milley informou que mais de 100.000 militares russos tinham morrido ou ficado feridos na Ucrânia, e que as forças de Kiev provavelmente sofreram baixas similares. 

Milley também destacou a possibilidade de conversas sobre o fim da guerra, e que a vitória militar pode não ser possível nem para a Rússia nem para a Ucrânia. 

Enquanto isso, a Rússia anunciou nesta quinta-feira que suas forças começaram a se retirar da cidade de Kherson, no sul da Ucrânia, um duro golpe para a campanha militar de Moscou. 

"Estamos vendo alguns indícios de que as forças russas estão se retirando da cidade de Kherson, mas é cedo demais para fazer uma avaliação completa de... o que isso significa", disse Singh. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!