Guerra

Família de filha de brasileira refém do Hamas vive seu 2º ataque terrorista

Celeste Fishbein, de 18 anos, está desaparecida; prima-irmã de sua mãe já foi vítima de terrorismo nos anos 2000

Por Agências
Publicado em 15 de outubro de 2023 | 21:20
 
 
 

Uma família brasileira, que já foi vítima de terrorismo mais de duas décadas atrás, está revivendo o mesmo drama com os ataques promovidos pelo Hamas em Israel. Filha e neta de brasileiros, a jovem Tchelet Fishbein Za'arur (ou Celeste como a família a chama em português), de 18 anos, foi sequestrada no dia 7, e, segundo familiares, está em poder dos terroristas. De acordo com Israel, 155 pessoas são mantidas como reféns em Gaza.

A mãe de Celeste, Gladys Fishbein, é prima-irmã de Flora Rosenbaum. Em 2001, Flora ficou ferida num atentado, depois que um terrorista suicida detonou uma bomba no momento em que ela passava com a família na frente da pizzaria Sbarro, em Jerusalém

À época, a explosão deixou 18 vítimas e cerca de cem feridos. Um dos mortos no episódio foi o marido de Flora, Jorge Balazs, de 69 anos. Ela ainda estava acompanhada da enteada Deborah Brando Balazs da Costa Faria, que também sobreviveu.

Celeste não tem nacionalidade brasileira - o pai é israelense - e trabalha como babá. Ela mora num kibutz, próximo da Faixa de Gaza. De acordo com relato de familiares, no dia do ataque, chegou a se esconder num bunker com o namorado, que também segue desaparecido.

A família explica que, até agora, não acharam DNA compatível com o de Celeste entre as vítimas do ataque terrorista. "Ela entrou com o namorado no bunker e, depois, não tiveram mais notícias deles", afirma Rinat Balazs, filha de Flora Rosenbaum. Rinat retornou ao Brasil no sábado (14/10), num dos aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). "Ontem (sábado), o exército confirmou que ela está na lista de sequestrados", diz.

Na noite do dia 6, sexta-feira, um dia antes do atentado terrorista, Celeste jantou com a avó de 94 anos, a mãe e o irmão Em seguida, foi para a casa. Os ataques começaram no sábado (07/10), por volta das 6h30.

"Foi um ataque de grande escala e, depois, começaram a chegar os terroristas atacando esse e outros lugares da região", conta Mario Ricardo Fishbein, tio de Celeste . "Eles queimavam as casas para as pessoas saírem e aí disparavam ou sequestravam."

A última mensagem enviada por Celeste no grupo da família foi por volta de 11h25 do sábado - cinco horas depois do início do ataque. "Depois, não recebemos mais mensagem nenhuma", diz Fishbein. "De alguma forma ou outra entraram na casa da Celeste, mas não tem marca de sangue. O que quer dizer que não mataram eles dentro do bunker que estavam. Não sabemos qual a situação dela, se está viva ou morta."

A mãe de Fishbein, a irmã e o sobrinho foram resgatados depois de 20 horas trancados num bunker. "Por sorte, não aconteceu nada grave com eles".

(Estadão Conteúdo)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!