tensão

Fiji mobiliza militares para manter 'segurança' após eleições

A eleição permitiu que o líder da oposição Sitiveni Rabuka formasse uma coalizão com maioria parlamentar suficiente para se tornar primeiro-ministro

Por Agências
Publicado em 22 de dezembro de 2022 | 08:14
 
 
 

A polícia de Fiji anunciou nesta quinta-feira a mobilização do exército para ajudar a "manter a segurança e a estabilidade" após as eleições que podem retirar do poder o líder do país nos últimos 16 anos. Em um comunicado, a força policial, leal ao primeiro-ministro, Frank Bainimarama, argumentou a decisão por "tensões raciais" e "inteligência" sobre "distúrbios civis planejados". 

Segundo o comissário Sitiveni Qiliho, a "decisão consensual" foi tomada após uma reunião com Bainimarama e o comando militar. 

Bainimarama chegou ao poder em um golpe de Estado em 2006, mas ganhou duas eleições desde então. A eleição de 14 de dezembro permitiu que o líder da oposição Sitiveni Rabuka, também ex-golpista, formasse uma coalizão com maioria parlamentar suficiente para se tornar primeiro-ministro.

No entanto, Bainimarama se recusa a aceitar a derrota e seu aliado e presidente do país, Wiliame Katonivere, ainda não convocou o Parlamento para eleger um novo chefe de governo. 

Este país insular do Pacífico sofreu quatro golpes nos últimos 35 anos e a possibilidade de uma intervenção militar paira sobre estas eleições.

(AFP)
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!