paralisações

França se prepara para dia de greve em contexto social tenso

Quase um terço dos postos de gasolina foram afetados pela greve; a escassez causa problemas para pessoas chegarem ao trabalho

Por Agências
Publicado em 17 de outubro de 2022 | 18:40
 
 
 

A França se prepara para viver um dia de greve na terça-feira (18), principalmente nos transportes, para exigir aumento salarial, em um contexto social tenso marcado, principalmente, pelas paralisações nas refinarias que causaram a falta de combustível.

Convocados por quatro sindicatos, os franceses foram chamados à assembleia geral, que servirá como indicador da margem de manobra do presidente liberal Emmanuel Macron para aprovar seu decreto para 2023 e sua polêmica reforma da previdência. 

"Quero que isso se resolva o mais rápido possível", disse Macron durante uma visita ao Salão do Automóvel de Paris, horas antes de decidir junto a sua primeira-ministra, Élisabeth Borne, e membros de seu governo medidas para acelerar o fornecimento de combustível.

"Uma semana de fogo para o governo", diz o jornal Le Monde desta segunda-feira. 

Pela manhã, o ministro da Economia, Bruno Le Maire, aumentou o tom, assegurando que "acabou o tempo de negociação" no setor das refinarias. 

Os trabalhadores da Esso-ExxonMobil e da TotalEnergies iniciaram uma greve no final de setembro para pedir aumento salarial, em um contexto de inflação (6,2% em setembro, segundo índice harmonizado europeu) e "superlucros" da gigante do setor energético.

Embora os primeiros tenham suspendido sua ação após um acordo com a empresa americana, os colaboradores da TotalEnergies retomaram sua greve nesta segunda-feira. O movimento afeta quatro refinarias – uma delas fora de serviço por motivos técnicos – e cinco depósitos. 

O Executivo está sob pressão. Com quase um terço dos postos de gasolina afetados, a escassez causa problemas para chegar ao trabalho, preocupações com a colheita nas áreas rurais e cancelamentos antes do período de férias de outono.

Os grevistas consideram insuficiente o aumento salarial de 7% em 2023, acompanhado de 3.000 a 6.000 euros de bônus (de 2.925 a 5.850 dólares) que a empresa francesa e os sindicatos CFDT e CFE-CGC (representação de 56%) decidiram na sexta-feira (14).

"É preciso liberar os depósitos de combustível, as refinarias que estão bloqueadas", afirmou Le Maire à rede BFMTV. 

Pouco depois, o governo anunciou a requisição de pessoal de um segundo depósito da TotalEnergies para aliviar a escassez. 


- Metade dos trens -
Embora as reivindicações sejam setoriais, seu eco ressoa na França. No domingo, 140 mil pessoas, de acordo com a organização, e 30 mil, segundo a polícia, participaram de uma manifestação "contra a vida cara", convocada pela oposição de esquerda.

"Teremos uma semana como não vemos com frequência", disse o líder do partido de esquerda radical França Insubmissa, Jean-Luc Mélenchon, que considera a manifestação um prelúdio da greve geral convocada para amanhã por quatro sindicatos, incluindo a CGT. 

O vice-ministro dos Transportes, Clément Beaune, adiantou na rádio France Inter que a greve poderá provocar o cancelamento de metade dos trens em algumas regiões. A empresa de transporte SNCF deve fornecer suas estimativas durante a tarde.

A mobilização ocorre no momento em que o governo deve decidir se recorre a um polêmico mecanismo parlamentar, conhecido como 49.3, que permite aprovar - sem submeter à votação - seu orçamento de 2023, em discussão na Assembleia Nacional.

Macron, que perdeu em junho a maioria absoluta na Câmara Baixa, corre o risco de reforçar sua imagem de presidente "autoritário" se utilizar este método, que também pode ser usado para fazer avançar a reforma da previdência.

O dirigente liberal chegou a alertar, inclusive, através de seu ministro do Trabalho, que dissolverá a Assembleia se os parlamentares não aprovarem a alteração da idade de aposentadoria de 62 para 65 anos. 

A primeira tentativa de aprovar essa medida em 2019 e 2020 motivou protestos massivos na França e a rejeição dos sindicatos, que ganharam agora o apoio dos deputados da esquerda e da extrema direita.

burs-tjc/avl/aa/tt/jc/rpr



© Agence France-Presse
                
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!