Clima

Furacão Ian se fortalece e alcança categoria 4 em seu caminho para a Flórida

Tempestade deixou dois mortos e milhões de pessoas sem energia elétrica ao passar por Cuba

Por Agências
Publicado em 28 de setembro de 2022 | 09:34
 
 
 

O furacão Ian se fortaleceu e atingiu a categoria quatro, em escala de cinco, a caminho da Flórida nesta quarta-feira (28), onde as previsões estimam ventos "devastadores" depois que a tempestade deixou dois mortos e milhões de pessoas sem energia elétrica ao passar por Cuba. Às 05h00 (06h00 no horário de Brasília) uma ordem de evacuação foi emitida para uma dúzia de condados costeiros da Flórida, com uma recomendação de evacuação voluntária para várias outras cidades, de acordo com os serviços de emergência. 

Quase simultaneamente, o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC) informou que "Ian se fortaleceu para atingir a categoria quatro extremamente perigosa". De acordo com os dados mais recentes, da aeronave Hurricane Hunter da Força Aérea, os ventos máximos sustentados aumentaram para 220 quilômetros por hora. 

A previsão é que a tempestade chegue à costa nesta quarta-feira e avance pela Flórida antes de retornar ao mar ao longo da costa oeste deste estado do sul dos EUA na quinta-feira. O NHC alertou que "uma tempestade com risco de vida é esperada na costa oeste da Flórida e na parte baixa de Florida Keys", com ventos "devastadores" no centro do furacão. "Inundações catastróficas são esperadas em várias áreas da Flórida central", acrescentou.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, declarou estado de emergência em dezenas de condados na segunda-feira e na noite de terça-feira alertou aqueles nas áreas projetadas para serem mais atingidas que "o tempo para sair está se esgotando". "É preciso sair agora. Vocês vão começar a sentir grandes impactos da tempestade em breve", disse ele. 

A administradora da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências dos Estados Unidos (FEMA), Deanne Criswell, se expressou no mesmo sentido. "Se as autoridades locais disserem às pessoas para se retiraram, por favor, ouçam-nas. A decisão que tomarem pode fazer a diferença entre a vida e a morte", acrescentou.

O Pentágono mobilizou 3.200 guardas nacionais e outros 1.800 soldados estão a caminho.  Autoridades de vários municípios distribuíram sacos de areia para ajudar os moradores a proteger suas casas.

Apagão em Cuba

Em sua passagem por Cuba, o furacão atingiu a categoria 3 e deixou a ilha mergulhada na escuridão depois de causar um apagão generalizado e duas mortes na província de Pinar del Rio. "Não há serviço de energia elétrica em nenhuma área do país no momento", declarou na terça-feira à noite Lázaro Guerra, diretor técnico da estatal União Elétrica. O furacão tocou solo ao amanhecer na província de Pinar del Río, oeste de Cuba. A mídia estatal informou duas mortes.

A caminho San Juan y Martínez, a 190 km de Havana, um dos locais mais castigados e área de plantações de tabaco em Pinar del Río, há cultivos inundados, árvores arrancadas, muitas como se tivessem sido cortadas com um machado, constataram jornalistas da AFP. No povoado de Consolación del Sur, Caridad Fernández, uma dona de casa de 65 anos, contempla o desastre da soleira de sua casa inundada, com os colchões molhados. As telhas foram levadas pelo furacão.

"Tudo ficou danificado, mas o que temos é a fé em manter a vida. Tudo tem solução, exceto a morte", diz a mulher com olheiras profundas após uma longa noite. O tabaqueiro Yuslán Rodríguez, de 37 anos, percorre nove casas de tabaco quase destruídas, inclusive a dele. "Não sei o que vamos fazer este ano com a campanha (semeadura)", diz, inconsolável. "Não é (apenas) esta casa de tabaco, são todas as casas de tabaco de Consolación del Sur". (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!