alemanha

Homem acusado de sequestrar a própria esposa é solto sem acusações

O homem foi preso por suposto sequestro, estupro qualificado e atos de tortura com base nas acusações de sua esposa

Por Agências
Publicado em 08 de agosto de 2023 | 19:09
 
 
 

O homem alemão preso na França acusado por sua esposa de mantê-la sequestrada desde 2011 foi solto sem sofrer acusações nesta terça-feira (8), informou o promotor-chefe do caso.

O preso deixou a delegacia "entre as 20h e 21h (15h e 16h no horário de Brasília)", disse à AFP Olivier Glady, o promotor de Sarreguemines, no nordeste da França.

Algumas horas antes, Glady explicou que não havia "nenhuma evidência" que permitisse processar o homem, de 55 anos, e ele seria libertado no mesmo dia.

Na madrugada de segunda-feira, a polícia deteve o homem no apartamento que ele compartilha com sua esposa em Forbach, localidade francesa na fronteira com a Alemanha.

O homem foi preso por suposto sequestro, estupro qualificado e atos de tortura e barbárie com base nas acusações de sua esposa, de 53 anos e nacionalidade espanhola e alemã, que foi encontrada seminua, desnutrida, com a cabeça raspada e supostamente com fraturas.

Após examinar a casa, os investigadores concluíram que "a situação de sequestro (...) é uma realidade inexistente", disse Glady, acrescentando que o médico que examinou a mulher também não encontrou provas de estupro nem feridas.

O marido explicou às autoridades que sua mulher, com quem está casado desde 2001, sofre de reumatismo de natureza autoimune, com complicações "incapacitantes" há aproximadamente dez meses, e que é ele quem cuida dela. 

O reumatismo causou "alergias" e "ocorreu junto ao processo de alopecia", o que explica a perda de cabelo da esposa, que foi encontrada "com a cabeça raspada".

Apesar de seu relato estar cheio de "incoerências", a mulher continua assegurando "que não está doente", apontou o promotor.

As forças de segurança intervieram na casa depois que a mulher ligou para uma associação alemã de proteção a vítimas, que informou à polícia de Wiesbaden (leste da Alemanha), e esta avisou à polícia francesa.

Na noite de segunda-feira, o promotor desmentiu algumas afirmações iniciais divulgadas por veículos de comunicação, como a presença de uma "cama de tortura" na residência.

Apesar de os primeiros indícios sugerirem um cenário de violência, as constatações no local evidenciariam que a mulher tinha acesso a "uma televisão, um computador e um celular", do qual pôde realizar o pedido de ajuda.

(AFP)
 

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!