Insatisfação

Incêndio na China é estopim para manifestações contra política de 'zero covid'

Comentários nas mídias sociais chinesas e internacionais apontaram que os extensos confinamentos pela covid-19 da cidade prejudicaram os esforços de resgate no incêndio

Por Agências
Publicado em 26 de novembro de 2022 | 08:59
 
 
 
normal

Um incêndio mortal na região de Xinjiang, no noroeste da China, desencadeou uma onda de indignação com a política de "zero covid", num momento em que o país luta contra o cansaço da população com essa estratégia de contenção do coronavírus. 

Dez pessoas morreram e nove ficaram feridas em um incêndio que atingiu um prédio residencial na capital regional de Urumqi na noite de quinta-feira, segundo a agência de notícias estatal Xinhua.

Comentários nas mídias sociais chinesas e internacionais desde sexta-feira apontaram que os extensos confinamentos pela covid-19 da cidade prejudicaram os esforços de resgate. Alguns vídeos pareciam mostrar multidões protestando nas ruas de Urumqi contra as medidas. 

A crescente frustração com a política de tolerância zero contra a covid também gerou protestos em outras cidades. A China é a última das principais economias a seguir uma estratégia "zero covid", com confinamentos, quarentenas extensas e testes em massa para erradicar os surtos que surgem.

"Levantem os confinamentos" 

Imagens parcialmente verificadas pela AFP mostram centenas de pessoas reunidas do lado de fora dos escritórios do governo local de Urumqi gritando "levantem os bloqueios". 

Em outro vídeo, dezenas de pessoas marcham por um bairro da zona leste da cidade, gritando o mesmo slogan. 

Os jornalistas da AFP conseguiram verificar a localização dos vídeos, mas não conseguiram determinar quando os protestos ocorreram. 

A onda de descontentamento atingiu a rede social chinesa Weibo, onde foram postadas alegações de que veículos elétricos estacionados que ficaram sem energia durante os confinamentos impediram que carros de bombeiros entrassem em uma rua estreita para chegar ao prédio em chamas.

As autoridades chinesas censuram o conteúdo da Internet que consideram politicamente sensível e supostamente removeram vários comentários sobre o incêndio. 

A polícia de Urumqi disse no Weibo na sexta-feira que prendeu uma mulher de sobrenome Su por "espalhar rumores na Internet" sobre o número de vítimas no acidente. 

Uma investigação preliminar revelou que o incêndio foi causado por uma placa de tomada no quarto da família de um dos apartamentos, de acordo com a televisão estatal CCTV.

O resgate foi complicado pela "falta de vagas de estacionamento e um grande número de veículos particulares em ambos os lados" de uma rua estreita que leva ao prédio, disse o chefe dos bombeiros local, Li Wensheng, a repórteres. 

Controles sanitários confinaram algumas comunidades em Urumqi, uma cidade de quatro milhões de habitantes, por semanas. 

Após os protestos, as autoridades disseram que a cidade "basicamente reduziu as transmissões sociais a zero" e "restaurará a ordem normal de vida dos moradores em áreas de baixo risco de maneira ordenada". 

A China também testemunhou protestos em uma enorme fábrica com foco de covid-19 na cidade de Zhengzhou, o que levou a manifestações por salários e condições de trabalho. (AFP)

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!