Te dá asas

Ingrediente do Red Bull pode ser o segredo para viver até os 100 anos

Cientistas afirmam que substância pode ser o elixir da vida, pois pode aumentar o tempo de vida e reduzir drasticamente os níveis de doenças relacionadas à idade, como ossos enfraquecidos

Por Frank Martins
Publicado em 08 de junho de 2023 | 22:03
 
 
 

Uma nova pesquisa sugere que o slogan de décadas do Red Bull pode realmente ter alguma verdade. Cientistas revelaram que dar taurina a camundongos - um ingrediente adicionado a bebidas energéticas - ajudou-os a viver três a quatro meses a mais.

Com isso, segundo esses especialistas, a substância poderia ser um "elixir da vida", equivale a cerca de sete ou oito anos humanos.

Acadêmicos da Universidade de Columbia também afirmaram que a taurina retardou o processo de envelhecimento, ajudando os roedores a evitar problemas relacionados à idade, como ossos enfraquecidos e perda muscular.

Experimentos adicionais, desta vez em humanos, revelaram que pessoas com mais taurina em seu corpo tendem a ser mais saudáveis.

O estudo não oferece nenhuma prova de que a taurina melhorará a longevidade humana. Mas compartilhando seus resultados na prestigiosa revista Science, a equipe afirmou que acredita que ela tem "potencial".

Cada lata de Red Bull contém 1g de taurina, um aminoácido considerado vital para manter a função muscular, a visão e o metabolismo. Além disso, pesquisas sugerem que ela suporta o sistema nervoso central e o sistema imunológico.

A taurina também está presente em carne, peixe e laticínios, muitas vezes em quantidades maiores. E também pode ser produzida naturalmente no corpo.

O Dr. Vijay Yadav, um dos autores, disse: "Percebemos que se a taurina está regulando todos esses processos que diminuem com a idade, talvez os níveis de taurina na corrente sanguínea afetem a saúde geral e a longevidade".

Primeiro, sua equipe analisou os níveis de taurina na corrente sanguínea de camundongos, macacos e pessoas e descobriu que eles caíam drasticamente com a idade.

Por exemplo, os resultados mostraram que um humano de 60 anos tinha um terço dos níveis de taurina de uma criança de cinco anos. A dieta ocidental típica geralmente tem cerca de 750mg por dia.

Para determinar se a deficiência de taurina impulsiona o processo de envelhecimento, os pesquisadores estudaram 250 camundongos com 14 meses - cerca de 45 anos em anos humanos.

Metade recebeu taurina todos os dias, enquanto os outros receberam uma solução de controle.

Os resultados mostram que as fêmeas de camundongos que receberam taurina viveram 12% mais do que as do grupo de controle, enquanto os machos viveram 10% mais.

No Reino Unido, a média de vida para homens e mulheres é de 82 e 86 anos, respectivamente.

Se os resultados em camundongos fossem comprovados para se aplicar aos humanos, isso equivaleria a um aumento para 88 e 94 para homens e mulheres.

Em uma segunda parte do estudo, cientistas deram suplementos de taurina a camundongos, macacos e vermes por um ano para investigar o efeito sobre a saúde e a longevidade.

Os resultados mostraram que os camundongos que receberam o suplemento eram mais saudáveis "em quase todos os aspectos", com níveis de energia mais altos e um sistema imunológico "mais jovem", disse a equipe.

Eles também apresentaram melhora na massa óssea, resistência muscular e força e níveis mais baixos de comportamento depressivo e ansioso, resistência à insulina e ganho de peso relacionado à idade.

Os macacos que receberam taurina apresentaram taxas mais baixas de ganho de peso, açúcar no sangue e danos no fígado, além de terem densidade óssea aumentada e sistemas imunológicos mais fortes.

"Não apenas descobrimos que os animais viveram mais tempo, mas também descobrimos que estão vivendo vidas mais saudáveis", disse o Dr. Yadav.

Testes adicionais sugerem que os efeitos anti-envelhecimento da taurina são, em parte, porque ela reduz o número de "células zumbis" no corpo - aquelas que deveriam morrer, mas em vez disso persistem e liberam substâncias prejudiciais.

Eles também observaram que a taurina estava ligada a níveis mais altos de células-tronco em alguns tecidos - o que pode ajudar na cicatrização após lesão - e redução do dano ao DNA.

Como parte de outra investigação, os pesquisadores analisaram os níveis de taurina e 50 marcadores de saúde entre 12.000 adultos europeus com mais de 60 anos.

Os resultados mostraram que aqueles com níveis mais altos eram menos propensos a ter diabetes tipo 2 ou ser obesos. Eles também tinham pressão arterial mais baixa e níveis mais baixos de inflamação.

"Essas são associações, que não estabelecem causalidade, mas os resultados são consistentes com a possibilidade de que a deficiência de taurina contribua para o envelhecimento humano", afirma Dr. Yadav.

Finalmente, a equipe da Columbia recrutou atletas e pessoas sedentárias para completar um treino extenuante de ciclismo para determinar se o exercício afetava os níveis de taurina.

Os resultados mostraram que todos os participantes viram um aumento no aminoácido depois.

"Independentemente do indivíduo, todos tiveram aumento nos níveis de taurina após o exercício, o que sugere que alguns dos benefícios à saúde do exercício podem vir do aumento da taurina", disse o Dr. Yadav.

O suplemento tem vantagens sobre outros medicamentos anti-envelhecimento em desenvolvimento porque não tem efeitos tóxicos conhecidos, pode ser obtido naturalmente na dieta e aumentado com exercícios.

"A abundância de taurina diminui com a idade, então restaurar a taurina para um nível juvenil na velhice pode ser uma estratégia promissora contra o envelhecimento. Este estudo sugere que a taurina pode ser um elixir da vida dentro de nós que nos ajuda a viver mais e com mais saúde", acrescentou o Dr. Yadav.

Notícias exclusivas e ilimitadas

O TEMPO reforça o compromisso com o jornalismo profissional e de qualidade.

Nossa redação produz diariamente informação responsável e que você pode confiar. Fique bem informado!